Calle Hispánica

Um passeio pela cultura em espanhol

Mês: março 2017 (Página 2 de 3)

Alejandro Sanz de um jeito que você ainda não ouviu

Alerta: Post escrito com o coração na ponta da caneta!

E quando se fala em Alejandro Sanz, pensamos logo em quê? (“Tiritas pa este corazón partío…”). Exatamente!

A ‘invelhecível’ Corazón Partío (que por sinal, completa 20 anos em 2017!), todos já conhecem. Mas há uma certa música que o cantor interpreta e você PRE-CI-SA ouvir. (Bom, se você já ouviu, tenho certeza de que vai querer ouvir mais uma vez, a final de contas, estamos falando do Alejandro, né meus caros?! <3 ).

Então se você curte o trabalho do cantor, segura aí o Ale, Ale-jandro cantando em português (mas com aquele sotaque espanhol que a gente ama porque ama!), a música Sozinho.

(Na plateia do Alejandro, eu sou claramente a Laura! rs)

Curtiu o Alejandro Sanz cantando ‘Sozinho‘? Se curtiu, devo te dizer que a versão dessa música na voz dele já está disponível no Spotify! 😉

Gostou da Calle Hispánica? Então, curta a Fan Page no Facebook e não perca nenhuma postagem!

Disney lança trailer de animação inspirada na cultura mexicana

Para quem curte o México (que não é só novela, mas sim, também é novela! rsrs) vem aí uma ótima oportunidade de conhecer melhor uma das características dessa cultura: A forma como os mexicanos lidam com a morte.

A Disney – Pixar lançou nesta semana o trailer da animação ‘Coco’, que tem como tema central a tradicional celebração do Dia dos Mortos no México. (Isso mesmo, gente! Para nossa alegria, a Disney vai colocar cultura latina nas telonas!)

Confira o trailer oficial de ‘Coco

Segundo o diretor, Lee Unkrich (o mesmo de ‘Toy Story’), a animação, repleta de homenagens à cultura mexicana, é uma verdadeira carta de amor ao país (já gostei!).

A história de Coco

Miguel é um menino de 12 anos que vive num alegre povoado mexicano. Em sua família, a música é algo proibido há décadas, por ser considerada portadora de uma maldição. Agora eu pergunto a vocês: Adivinhem só qual é a grande paixão de Miguel? A música!

Imagem: Magazine HD / Reprodução

Sonhando em transformar-se no seu ídolo, um cantor já falecido, Miguel termina acidentalmente dentro do mundo dos mortos, na noite do dia 1° de novembro. E lá o menino encontrará não só os seus antepassados, mas também suas história.

Nessa viagem ao lado de lá, a animação se propõe a mostrar ao público, através dos olhos de Miguel, todas as cores e formas dessa tradicional manifestação cultural mexicana.

Coco chegará aos cinemas no mês de novembro, logo após a celebração do dia 02, El Día de Los Muertos.

E aí? Alguém mais já quer ver Coco? rs

Y además…

Memo Aponte, exitoso actor mexicano de doblaje, nos cuenta todo lo que sabe sobre la película ‘Coco

Gostou do Calle Hispánica? Então, curta a Fan Page no Facebook e não perca nenhuma postagem!

Espanhol: 5 gírias mais usadas na novela Mi Corazón es Tuyo

Quando se trata de aprender espanhol (ou qualquer outro idioma), todo mundo sabe que é fundamental buscar formas de estar em contato com a língua. Afinal, como a gente vai chegar no karaokê e lacrar cantando o refrão de Estoy Aquí, se não praticarmos? 😜

E para quem curte aprender expressões, a novela mexicana Mi Corazón es Tuyo é um verdadeiro achado!

Ana, la nana

Foto: Telenoveleiros / Reprodução

Uma dançarina de pole dance, buenísima gente (mas bem gente como a gente, sabe?!) vai trabalhar como babá na casa de um milionário viúvo, pai de sete filhos (sim, S-E-T-E 😮) e extremamente rígido com a educação das crianças.

Claro que no passar de capítulos, ela vai ganhando o carinho dos filhos (e também derrete o coração de gelo do pai).

O romance do casal é o fio condutor da história, mas a questão que vale destacar aqui é: Ana Leal é um verdadeiro dicionário ambulante de expressões mexicanas. Além de ser divertidíssima, a personagem esbanja as chamadas gírias callejerras, ou seja, as expressões popularesusadas em conversas informais e bem descontraídas.

Enquanto você pensa se começa a ver a novela ou não (e eu super-recomendo que sim!), a Calle Hispánica selecionou 5 dessas expressões para você.

Confira!

¿Neta? 

Podemos usar essa expressão para questionar uma situação ou para duvidar de algo. Por exemplo, se a sua amiga te fala que no próximo fim de semana embarca para Acapulco, você vira para ela e diz ¡¿Neta?!

Neta del planeta

Essa frase pode ser usada para dizer ‘é a única verdade’, ou ainda ‘é a maior verdade do planeta’.

Neta del Planeta também pode ser usada para dizer que algo ou alguém é incrível ou excelente. Ah… pensou num crush aí, né?! Mas essa expressão também pode ser usada para amigos, ok?!

De volón pimpón  Se você diz que vai fazer algo de volón pinpón, então você fará muito rápido!

Que Pachuca por Toluca

Sem dúvidas, minha expressão favorita! ❤ Que Pachuca por Toluca é uma forma de perguntar ¿Qué pasó?, ou seja, o que houve?

Qué chido

Quando queremos dizer que algo está muito bom ou que está lindo, então é só soltar um ‘¡Qué chido!’.

Confira também: Qual a vantagem das telenovelas latinas para quem deseja praticar o espanhol?

Y además…

Te dejamos el promo de la telenovela Mi Corazón es Tuyo

Gostou da Calle Hispánica? Então, curta a Fan Page no Facebook e não perca nenhuma postagem!

5 músicas em espanhol que te farão chorar mais que Maria do Bairro

Há dias em que nos sentimos mais introspectivos e até mesmo tristes. O que fazemos, então? Buscamos uma trilha sonora para deixar nossa cena de novela particular ainda mais completa.

Para te ajudar nessa tarefa, a Calle Hispánica traz 5 músicas em espanhol que certamente estariam na playlist da Maria do Bairro. Afinal, chorar sempre foi e sempre será com ela mesma (os 190 capítulos da novela não me deixam mentir!).

Alerta: Músicas tristes, porém LINDAS! <3 Então preparem os lencinhos e aumentem o som!

Amores de Cristal – Luja Duhart

Amores de Cristal, do cantor mexicano Luja Duhart, fez parte da trilha sonora da novela Lo que la Vida me Robó (transmitida atualmente pelo SBT). A música fala sobre os diferentes tipos de amor e sobre o ‘deixar em liberdade’ como representação da grandeza desse sentimento.

Suelta mi Mano – Sin Bandera

O relacionamento termina e uma das partes segue apaixonada (quem nunca?). Para completar, a outra parte não dá o espaço necessário para que aquela história possa ser superada. Essa é a temática cantada por Sin Bandera em Suelta mi mano.

Essa dupla, aliás, arrebentando nosso coração no melhor estilo Noel e Leonel de ser!


La misma luna – Matisse

Histórias de amor que parecem ter chegado ao fim até que um belo dia, a criatura aparece pedindo para voltar. E por que voltar se tudo já havia terminado? É em torno dessa questão que gira La Misma Luna, do trio Matisse, formado por Melissa Robles, Pablo Preciado e Román Torres.

Obs.: Como não se apaixonar pela voz desses três?

Abrázame – Camila

A primeira vez que ouvi Abrázame, da banda mexicana Camila, foi na novela Triunfo del Amor (remake de El Privilegio de Amar). E sobre o que a música fala? Resumindo: “Fica um pouco mais… Me abraça…”. (E aí? Você abraçaria ou não? rs)

Sabe aquela pessoa incrível, inteligente, divertida e companheira, que cometeu o erro de se apaixonar por quem não a merece? (novamente, quem nunca?) Então, é para essa pessoa que o Pablo Alborán canta Perdóname, em companhia da portuguesa Carminho.

E você? Conhece músicas em espanhol que são mais ‘Maria do Bairro’ que essas? Compartilha sua playlist com a gente!

Gostou da Calle Hispánica? Então, curta a Fan Page no Facebook e não perca nenhuma postagem!

Colômbia: Confira as dicas da Pollyana Teixeira

Tá pensando em visitar a Colômbia? Então segura aí as dicas da Pollyana Teixeira, que esteve lá na terra da Shakira em setembro de 2016!

“A Colômbia foi uma grata surpresa para mim! Caribenha, mas também cosmopolita, é um destino capaz de agradar qualquer viajante. A minha visita começou por Cartagena, uma cidade ensolarada e quente, muito quente; repleta de cores, sabores – das frutas tropicais ao café delicioso, salsa, pessoas alegres e receptivas, e banhada pelo mar do Caribe, azul e paradisíaco. Algumas dicas tem-que-fazer pra você que vai: tome a ‘limonada de coco’ (melhor bebida!), não deixe de visitar uma das ‘Islas del Rosario’ e almoçar no ‘La Mulata’, que serve comida caribenha maravilhosa e muito barata.

Pollyana em Las Bóvedas, Cartagena

De Cartagena, fui conhecer a capital, Bogotá, uma cidade surpreendente! Enorme, super movimentada, repleta de pessoas e possibilidades, como toda boa cidade cosmopolita. Ao contrário de muitas, porém, Bogotá preserva e exalta sua história em todas as suas esquinas, de forma que toda caminhada pela cidade é uma aula, e um prato cheio para os amantes da cultura que se faz viva para as pessoas, não apenas expostas nos museus. No entanto, não deixe de visitá-los, claro; Bogotá tem alguns dos melhores que já conheci, com destaque para o Museu Nacional e o do Ouro.

Outras boas dicas são passear pelo bairro La Candelaria, subir o Serro Monserrate – e ver a cidade a mais de 2 mil metros de altitude -, e alugar uma bike para conhecer a cidade sobre duas rodas (todo mundo anda de bicicleta em Bogotá!). Ah, à noite, não deixe ja-mais de ir ao Andrés D.C, uma balada mucho lôca (e impossível de descrever mais). Você vai abrir a carteira, porque o lugar é caaaro, mas sairá de lá com a certeza de que não poderia ter deixado de ir. No mais, leve todos os seus casacos, luvas e cachecóis, porque em Bogotá ‘hace mucho, MUCHO frío’!

P.S. Pela quantidade de caracteres, vocês podem pensar que eu preferi Bogotá à Cartagena. Sim, estão certos! ;)”.

Por Pollyana Teixeira

Também já foi a algum país hispânico? Então compartilha com a gente essa experiência, enviando uma foto com um depoimento para fernanda05rs@gmail.com

Ah! Não se esqueça de informar seu nome, o crédito da imagem e onde ela foi feita.

Gostou da Calle Hispánica? Então, curta a Fan Page no Facebook e não perca nenhuma postagem!

Novelas: 5 Personagens femininas inspiradoras

Dia 8 de março é celebrado o Dia Internacional da Mulher. E aproveitando a data, o Calle Hispánica revisitou a lista de novelas latinas para trazer 5 personagens inspiradoras.

Não, elas não passam a novela inteira chorando! Elas tomam aguardiente, arrasam no pole dance, salvam fábricas de cerâmica da falência e nos dão aulas de respeito.

Seja pela inteligência, doçura, força ou valentia, vale a pena conhecê-las.

Confira!

Gaivota (Café com Aroma de Mulher)

Foto: YouTube / Reprodução

O ‘dar a volta por cima’ é a parte que o público mais aguarda numa novela. E esse é o ponto forte da Gaivota, uma personagem que nos conquista com a sua força, coragem e inteligência.

Ao longo dos 135 capítulos, faltam dedos para contar quantas vezes a digníssima família Valejo tentou puxar o tapete da moça. E o que ela fez? Mudou de nome (de Teresa Soarez para Carolina Olivares) e virou o jogo a seu favor com inteligência e, quando necessário, também com umas boas surras. Sim, a Gaivota é muito boa de briga e, quanto mais irritada ela fica, melhor é o capítulo!

Obs.: Palmas também para Margarita Rosa de Francisco, atriz que interpretou a Gaivota. Além de convencer no papel, ainda cantava toda a trilha sonora da novela (Aliás, ela canta um tango – Mal amor – que vocês deveriam ouvir! )

Verônica (A Mentira)

Foto: FamousFix / Reprodução

Mulher de fibra? Valente? Essa é a Verônica! Casou achando que a vida seria um mar de rosas, mas logo descobriu que o marido, na verdade, queria vingar-se dela. Quem viu a novela lembra que Demetrio queria se vingar da morte do irmão, causada por uma mulher cujo nome começava pela letra V. O problema é que a partir dessa informação, ele mirou na letra V e acertou a prima errada (era V de Virginia e não de Verônica).

Mas ela provou sua inocência ao marido (na verdade, ela esfregou sua inocência na cara dele e a cena em que essa verdade vem a tona é a melhor da novela!). Depois disso, Demétrio passou o resto da novela se virando nos trinta para ganhar o perdão da esposa (e Verônica só sambando! rs)

Ana Leal (Meu coração é teu)

Foto> TVolucion / Reprodução

Uma jovem vai trabalhar como babá na casa de um milionário viúvo, pai de sete filhos (sim, S-E-T-E) e extremamente rígido com a educação das crianças. Sim, Meu Coração é Teu tem um quê de A Noviça Rebelde, mas com uma ‘pequena’ diferença: Ana Leal é, na verdade, uma dançarina de pole dance e não tem qualquer experiência como babá.

O ponto forte da Ana? Divertidíssima! (você não passa um capítulo sem rir com ela!). E com esse bom humor e carinho, ela vai conquistando aos poucos a confiança dos filhos e o coração do pai.

Vovó Piedade (A Usurpadora)

Foto: Amo Novelas / Reprodução

Porque o que ela diz está dito e não se discute. Viva a Vovó piedade! Levantou a fábrica Bracho (com a ajuda da Paulina Usurpadora), tinha voz ativa com os netos e manteve-se como matriarca da família, fazendo valer suas decisões, inclusive nas questões de negócio.

Professora Elena (Carrossel)

Foto: La Republica / Reprodução

O que dizer da doçura da professora Helena? Em vez falar sobre ela, vou deixar um vídeo que resume bem essa personagem.

(Alerta: Você vai se emocionar!)

E você? Tem alguma personagem inspiradora de novela que não esteja na lista? Compartilha sua opinião com a gente!

Gostou do Calle Hispánica? Então, curta a Fan Page no Facebook e não perca nenhuma postagem!

Leitura do mês: A Mulher Habitada, de Gioconda Belli

De Miguel de Cervantes até hoje, sabemos que há uma variedade incrível de escritores que compõem e diversificam a literatura produzida nos países que falam espanhol.

Com o nascimento do Calle Hispánica, me propus a dedicar mais tempo para conhecer melhor as letras que florescem em páginas argentinas, chilenas, espanholas, cubanas… e por aí vai!

E para começar essa viagem literária, aterrissamos na Nicarágua, terra da escritora Gioconda Belli (já premiada com um dos mais importantes prêmios literários latino-americanos, o Casa de Las Americas).

Em sua obra A Mulher Habitada, escrita em 1988, Gioconda narra o romance entre Lavínia e Felipe, fazendo, ao mesmo tempo, um contraponto com o período histórico da chegada dos colonizadores espanhol.

Imagem: Amazon / Reprodução

O que eu espero dessa leitura? Fazer uma viagem pela Nicarágua, conhecendo alguns aspectos históricos, sociais e culturais desse país.

Então por hora é isso. Terminada a leitura, volto para contar minhas impressões sobre A Mulher Habitada.

¡Hasta luego!

Em Buenos Aires com Ana Elisa Arnold

Sin Bandera: Show no Brasil faz parte dos planos da dupla

Na tarde desta quarta-feira (01/03), a dupla Sin Bandera recebeu a imprensa para uma coletiva sobre o novo álbum  Primera Fila Acústico ‘Una Última Vez’ – Encore, lançado na última semana.

Durante o encontro, transmitido ao vivo pelo Facebook, Leonel Garcia e Noel Schajris falaram sobre a experiência de relembrar quem são enquanto dupla e, ao mesmo, descobrir novas qualidades e novas formas de trabalhar juntos.

“Temos personalidades diferentes, mas o passar dos anos e a maturidade nos ajudaram a compreender melhor como funcionam as questões de trabalho e também da vida. Essa maturidade nos ensina a valorizar o outro como realmente é, em vez de tentar fazer com ele seja da forma como somos”, destacou Noel.

Sobre o processo de composição, Leonel explicou como o mesmo se desenvolve em parceria com Noel. “Normalmente, já temos uma leve ideia de como será a melodia. Um apresenta para o outro o que já tem e a música acaba ditando a emoção que se seguirá”, afirmou Leonel.

“Sabemos que nem todos terão a possibilidade de ir a um show nosso, então, nos esforçamos para levar até as pessoas essa mesma emoção que sentimos no momento de compor “, explicou Leonel.

A previsão é que a turnê do álbum Primera Fila Acústico ‘Una Última Vez’ – Encore vá até o início do próximo ano e, de acordo com Noel, o Brasil faz parte da programação de shows (e o Calle Hispánica agradece!)

Melhor Dica: Conheça o novo álbum da dupla Sin Bandera

Y además…

Te dejamos el video completo de la conferencia de prensa con el dúo Sin Bandera

Gostou da Calle Hispánica? Então, curta a Fan Page no Facebook e não perca nenhuma postagem!

Además: Entrevista completa con Luis Daniel Vega, director de Señal Cumbia

Para hablar un poco sobre la história y las caracterísiticas de la Cumbia, Calle Hispánica entrevistó a Luis Daniel Vega, director de Señal Cumbia, la emisora en internet de Radio Nacional de Colombia.

Foto: Radio Nacional / Reprodução

¿Es posible precisar cuando se dio el surgimiento de la cumbia?

No, no es posible. Los orígenes son inciertos y no hay, hasta el momento, estudios ni literatura que soporte cualquier conjetura. Esto deja el asunto en el terreno de la mitología.

¿Puedes mencionar algunas canciones más clásicas de este género en Colombia?

Podemos mencionar canciones como “La pollera colora”, “La Piragua”, “Cumbia sampuesana”, “Cumbia cienaguera”, “La zenaida”, “La tabaquera”, “Amaneciendo”, “La subienda” y “Cumbia que te vas de ronda”. 

¿Cuáles fueron las principales transformaciones por las cuales ha pasado la cumbia hasta hoy?

De las primeras manifestaciones con flauta de millo en Colombia, la cumbia se ha transformado a través del jazz con las grandes orquestas colombianas de los años cuarenta. Se mezcló con el rock y los ritmos cubanos en México. Se mezcló con el surf y la sicodelía en Perú. Recientemente ha penetrado los circuitos de música electrónica comercial y experimental, así como terrenos del jazz de vanguardia.

El género es una mezcla entre tres elementos etnoculturales: los indígenas, los blancos y los africanos. ¿Cuáles son las nuevas influencias que podemos observar en la cumbia hoy día? 

Se puede decir que en la cumbia de hoy día vemos sobretodo la influencia de la música electrónica.

¿Cuáles son algunos de los nuevos nombres de ese género musical?

Podemos enumerar muchos terrenos de los nuevos pasos de la cumbia en Latinoamérica: experimentos digitales del sello argentino ZZK – con El Remolón, La Yegros, Frikstailers y King Koya a la cabeza-; el revival en onda garage de Sonido Gallo Negro en México; el desenfado punk de Kumbia Queers; la insolencia y el alboroto rumbero de Los Terapeutas del Ritmo, Dengue Dengue Dengue y Bareto en Perú; el increíble mestizaje de la nueva cumbia en Chile –donde grupos como Banda Conmoción, Villa Cariño, Combo Ginebra, La Mano Ajena y Chico Trujillo mezclan cumbia, ska, música balcánica, reggae y bolero-; el desenfado villero o santafesino en Argentina; la vibrante mezcla con hip hop de Toy Selectah en México; la cumbia “cheta” –o “gomela”- en Uruguay representada por bandas como Marama, Rombai o Toco para Vos y, por supuesto, el exuberante abanico de posibilidades que en la actualidad ofrece Colombia.

Y es que en Colombia es posible encontrar rastros de nueva cumbia en el pop edulcorado de Carlos Vives hasta el jazz subversivo de El Ombligo. En medio de estos dos polos, nos topamos con el desmadre electrónico de Cero 39, Dub de Gaita, Quantic, Mitú, Systema Solar, Tricófero de Barro, Pernett, Milmarías, Bomba Estéreo o Frente Cumbiero, como, también, el humor despiadado de Puerto Candelaria, la cumbia jazzera de Metropolizón y Gregorio Uribe, las conexiones entre sonidos modernos y viejos de Carmelo Torres y Los Toscos o La Perla, los sampleos inverosímiles de Romperayo, la alegría punk de la Tromba Bacalao o Papaya Republik, el viaje sicodélico de Espeisbroders o Ghetto Kumbé, y la anarquía tropical de Los Pirañas y Meridian Brothers.

A los brasileños que se van de viaje a Colombia, ¿les sugieres algún sitio en donde se pueda encontrar la cumbia y realmente vivir esta tradición? 

Pueden visitar El Banco, Magdalena, donde cada año se celebra el Festival Nacional de la Cumbia. Pueden visitar San Basilio de Palenque y San Jacinto, tierra de gaiteros.

Con relación a Señal Cumbia ¿Cómo nasció la idea de crear una radio especifica para la cumbia? 

Desde sus albores inexactos, en algún lugar y en algún momento de la geografía y la historia colombianas, la cumbia se ha ido transformando lentamente en un fenómeno musical que hoy en día alcanza repercusiones universales. Desde la Patagonia hasta los Estados Unidos, con la única excepción en Brasil, la cumbia se ha arraigado profundamente en América Latina y, a consecuencia de su popularidad, se ha replicado con fuerza en el continente Europeo. La Radio Nacional de Colombia no ha sido ajena a este fenómeno y por esta razón pone al alcance del público global Señal Cumbia, una emisora digital que irradia el cadencioso y mestizo ritmo en sus variables más particulares.

¿Cuáles tipos de cumbia el publico puede escuchar en Señal Cumbia? 

Desde la flauta de millo hasta la manipulación digital, pasando por las grandes orquestas, el desenfado popular villero, sabanero y sonidero, la cumbia andina, la tecnocumbia, el rock y las experimentaciones del jazz, Señal Cumbia pone en la palestra digital un amplio repertorio cumbiero que rebasa los géneros y el tiempo.

Cúmbia: O ritmo colombiano que você precisa conhecer

Para conocer más de este género musical, escucha Señal Cumbia de Radio Nacional de Colombia.

Gostou do Calle Hispánica? Então, curta a Fan Page no Facebook e não perca nenhuma postagem!

Página 2 de 3

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén