Calle Hispánica

Um passeio pela cultura em espanhol

Documentário ‘Marias’ aborda religião, sincretismo e o poder do feminino na América Latina

Dessa vez, abri o catálogo de filmes da Netflix não necessariamente buscando algo em espanhol. Estava só buscando algo novo, que me despertasse a curiosidade. Eis que encontro o documentário brasileiro Marias: a Fé no Feminino. Comecei a assistir sem muitas expectativas e, por ser uma produção nacional (🇧🇷), não imaginei que renderia um post para a Calle Hispánica.

No entanto, aos 11 minutos de filme, já estava emocionada e com aquele nó na garganta. Além disso, o longa tem o comecinho em português e, depois de mais ou menos 18 minutos, ahí viene nuestro español 😍

Quem é Maria?

O documentário, dirigido por Joana Mariani, faz uma viagem por cinco países da América Latina (Brasil, Cuba, Peru, Nicarágua e México), mostrando as figuras femininas religiosas que se destacam em cada um desses países. E já adianto que o longa vai além da questão religiosa, retratando a força do feminino, a força da fé no feminino.

“Nossa Senhora aparece com as características de cada povo ou de cada época, justamente para falar perto do coração. Porque ela é mãe, e mãe fala todas as línguas. É como Deus. Deus não tem religião, nós é que temos religião”. 

“La madre no cierra sus brazos a nadie”

A viagem tem início no Brasil ( e, por isso, o início do documentário tem o áudio em português). Em cena, vemos um pouco do culto dedicado à Nossa Senhora Aparecida.

Não entanto, não se limitando ao catolicismo, vemos também o culto à Yemanjá (e com direito ao canto sempre lindo de Bethânia! ❤).

Depois, saltamos para Cuba, terra que tem a Virgen de La  Caridad del Cobre como padroeira. No contraponto do sincretismo está Oxum. Para personificar e representa essa mistura, ouvimos a instrumental Ave Maria, ritmada pelo som dos tambores de la santería cubana (palmas para quem teve esse ideia! 👏👏)

Já no Peru, encontramos a Virgen de las Mercedes de Paita.  Como narra uma das entrevistadas, a imagem dessa Nossa Senhora, “tem o poder de funcionar como um espelho. Ou seja; não absorve as demandas, mas sim reflete para as pessoas suas próprias capacidades e energias”.

Com a Virgen de La Concepción Del Trono, padroeira da Nicarágua, o documentário nos mostra a tradição seguida pelo povo no última dia de novena oferecida à Santa, chamado de Día de Gritería. Nessa data, as pessoas colocam seus altares particulares de frente para a rua e distribuem balas, chocolates, brinquedos e outros brindes. Quem vem de fora, se aproxima ao altar e grita “¿Quién causa tanta alegria?” E quem está dentro, responde “¡La Concepción de María!”.  E essa é considerada uma das celebrações mais especiais para as crianças! 👧👦🍬🍭🍩

Já no (meu amadíssimo México ❤) está a Virgen de Guadalupe.

Reconhecida pelos indígenas da região, como Tonanzin, a Deusa dos astecas, a padroeira do México, e também Padroeira da América, com traços indígenas e pele morena, consegue unir diferentes povos e crenças.

Obs.: Aliás, artesão que produzem imagens de la Virgen de Guadalupe, por favor, não a pintem com a pele branca 😟 Afinal, não é a toa que ela é também conhecida como La Morenita #FicaADica

Ponto forte

Há mais de um a ser destacado 🙂

Primeiro. Como já mencionado no início do post, o documentário não se limita a abordar a questão religiosa, indo bem além disso. Marias: a Fé no Feminino reconstrói a força que emana do feminino.

Segundo. Religião é sempre um tema delicado de abordar. No entanto, o documentário o faz de forma muito delicada e respeitosa, abordando questão fundamentais, como o sincretismo religioso. Nesse caldeirão de cultura que se chama América Latina, há muito dos índios e negros e, quando se trata de fé, não poderia ser diferente.

Além disso, o filme traz também o feminismo como fio condutor, mostrando não só histórias de ‘Marias Nossas Senhoras’, mas também de ‘Marias Todas Nós’.

E respondendo à pergunta ‘Quem é Maria?’…

Livre, trabalhadora, forte, autônoma, que sonha e que sabe voar. chegamos ao fim do documentário com a certeza de que Maria somos todas nós ❤

Confira o trailer de Marias: a Fé no Feminino

Gostou da Calle Hispánica? Então, curta a Fan Page no Facebook e não perca nenhuma postagem! 😉

Anteriores

5 músicas em espanhol que te farão desistir de desistir 😉

Próximo

Luis Miguel: El Sol de México completa 47 anos nesta terça

4 Comentários

  1. Realmente muito bom este post! Conteúdo Relevante!
    Gostei bastante do site, vou ver se acompanho toda semana suas postagens.
    Trabalho pela internet a alguns anos com meu blog de decoração e adoro
    tudo referente ao assunto. Sei que o assunto não é decoração mas adoro
    saber novidades em diferentes nichos e áreas. Obrigada

    • Fernanda Rosa

      Oi, Alina!
      Que bom que você curtiu o conteúdo da Calle 🙂

      O universo hispânico é super inspirador no que se refere à decoração e arte! 💜

      Obrigada pelo carinho!
      Abraços hispânicos 😉

Deixe uma resposta

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén