Calle Hispánica

Um passeio pela cultura em espanhol

Mês: maio 2017 (Página 2 de 2)

Además: Calle Hispánica entrevista a la ilustradora Flavia Álvarez

Para conocer más sobre la carrera y sobre el trabajo de Flavia Álvarez, Calle Hispánica entrevistó a la ilustradora 🙂

@FlavitaBananaIlustracion / Reprodução

¿Cómo fue que te descubriste ilustradora?

La verdad es que todos somos ilustradores desde pequeños, dibujar es parte de la educación. Algunos sencillamente seguimos haciéndolo, los únicos que hacen un cambio son aquellos que dejan de dibujar. Siempre dibujé, incluso durante la educación secundaria (donde me especialicé en ciencias). Cuando llegó la hora de ir a la universidad, yo me decidí por los estudios artísticos, pese a que no tenía más formación que la propia. Fallé la prueba de acceso a Bellas Artes (obvio) pero me inscribí en la Escuela Massana de Barcelona, un centro artístico donde impartían una carrera semiprivada. Después de esos 4 años tambien cursé allí el ciclo de ilustración, aunque si lo pienso nunca creí que me fuera a dedicar a esto. Quiero decir, a nivel estético no resaltaba, y durante mucho tiempo creí que sólo eso importaba.

Y de Flavia Álvarez hasta Flavita Banana, cuéntanos cómo ha sido este camino.

No creo que una se haya convertido en la otra. Yo sigo siendo Flavia, y Flavita Banana es el nombre que puse para no firmar con mi nombre, sin más. Sí es verdad que las viñetas que empecé a firmar con ese nombre aparecieron uno o dos años después de terminar mis estudios, cuando ya estaba casi convencida de que seguiría trabajando toda mi vida en la restauración o los call centers, y que dibujar sería algo anecdótico. Me cansé de intentar hacerlo bonito, y empecé a poner texto y decir mis verdades. Era algo terapéutico supongo, abrirse tanto a los demás. Abrí la página de Facebook y de ahí hasta ahora.

¿Sobre qué NO es ‘Las Cosas del Querer?

No es sobre los hombres y mujeres normativos. No es sobre la feminidad ni la masculinidad como algo separado. No es sobre el amor romántico ideal. No trata sobre nada establecido, inamovible ni verdadero. Es sólo un punto de vista, una manera de ver las cosas que pretende dar a entender que hay mil maneras de ser, que nadie es mejor que nadie.

¿Quién es la mujer que dibujas en el libro? ¿Cómo la presentarías al público que va a leerlo?

No la asocio a nadie real, es más bien un ente que representa a todos y todas aquellas que pese a tener muy claro cómo quieren que sean las cosas, también son un mar de dudas. Es alguien confiado, combativo, impulsivo y lleno de miedos. Sé que suena contradictorio, pero ahí está la gracia, supongo que ahí está la clave de muchos de nosotros. Somos cambiantes, débiles a veces, y eso no tiene nada de malo.

Cuando terminé de leer el libro, me pregunté: “Cómo hace ella para hablar tan directamente conmigo si ni siquiera me conoce? Entonces, ¿Cómo haces para hablar con todas y, al mismo tiempo, también con cada una?

La verdad es que nunca visualizo al lector o lectora, junto pensamientos que se me han pasado a mí por la cabeza o en la vida real, y cada vez me sorprendo con que tanta gente se sienta identificada. Somos muchas personas sobre la tierra, y supongo que es normal que muchos nos sintamos igual. También creo que nuestra generación tiene esa incertidumbre en común, somos la generación de la total libertad, de todas las posibilidades, y eso nos ha hecho ser inseguros e incoherentes. No sé si es malo o bueno, yo intento que nos riamos de ello.

¿Dirías que tu trabajo es feminista?

Tanto en el libro como en las viñetas de las redes defiendo que los rasgos “masculinos” y “femeninos” de carácter no son implícitos en el sexo con que se nace. No juegas con camiones porque naciste chico, ni te pintas las uñas por nacer mujer. Te enseñan a ser así. Sin embargo todos somos capaces de todo, tanto a nivel físico como intelectual (obviemos el embarazo/parto). Para mí no debe haber ninguna diferencia de derechos entre unos y otras, ni debería haber cambios de comportamiento por estar frente a un sexo o el otro. No defiendo que se sostenga la puerta a la mujeres, que se haga pagar la cena/copas a los hombres, que la caja grande la cargue el hombre pese a que ambos están en la misma condición física. Y esto son ejemplos inofensivos comparado con las enormes diferencias que se dan en el mundo. Así que sí, obviamente mi trabajo es feminista, porque yo lo soy. Igualarnos sólo nos beneficiaría a todos. Y se escapa a mi comprensión que alguien no lo sea.

Es un hecho que nosotras mujeres hemos conquistado cosas importantes, pero también es un hecho que todavía tenemos un largo camino por delante. ¿Cómo ves nuestra situación actualmente?

Sólo puedo hablar desde la perspectiva que conozco, la de mujer blanca joven heterosexual europea. Vamos, una posición muy cómoda. Soy mujer pero todas mis demás “características” me colocan en la cumbre de lo fácil. Por eso muchas veces intento que se entienda que la lucha por los derechos de la mujer no se distancia de cualquier otra lucha contra la discriminación, ya que ese combinado de origen, orientación sexual, edad, raza, es una lotería y sea cual sea tu situación el mundo debe ser capaz de entender que tú tienes los mismos derechos que el resto. Las mujeres estamos logrando cosas porque somos la mitad del planeta y las cosas caen por su propio peso, las nuevas generaciones empiezan a ser conscientes de que no hay una jerarquía hombre-mujer. Eso no se logra haciendo que los hombres nos teman, si no borrando las diferencias, mostrando que somos lo mismo. Todavía falta mucho, pero ya se empieza a valorar el trayecto profesional de las personas independientemente de su género.

¿Los hombres también pueden identificarse con tu libro?

Obviamente. Y no son pocos los que ya lo tienen y lo leen. Todas hemos visto películas de James Bond y viéndolas hemos podido pensar ¿qué habria hecho yo en esa situación?. El mundo de la cultura nos ha martilleado con personajes masculinos como neutros, y femeninos como “para mujeres”. En mis viñetas aparecen casi siempre mujeres, pero no hablo de cosas de mujeres. Hablo de cosas de personas (vivo con 3 chicos desde hace años, créeme que sentimos igual) e intento que, con constancia, se logre identificar cualquier género. Basta con echar una ojeada a los comentarios de mis viñetas en instagram, hay muchas chicas pero también chicos diciendo que les ha pasado. Soy optimista, creo que por lo menos en mi caso se está entendiendo que no me dirijo sólo a las mujeres.

Gostou da Calle Hispánica? Então, curta a Fan Page no Facebook e não perca nenhuma postagem! 😉

Netflix mandou avisar: Vai ter série sobre a vida do cantor Luis Miguel!

Já havia mencionado aqui na Calle que vêm por aí duas séries sobre Luis Miguel. Uma produzida pela Univision, (emissora de TV americana com a programação em espanhol) e outra pela Netflix.

Eis que na última semana, nossa queridinha (❤) lançou o trailer da série biográfica, que estreará em 2018, na Espanha e América Latina.

Confira o trailer! 📺

Figura polêmica, Luis Miguel sempre buscou manter sua vida privada bem longe dos holofotes midiáticos. Inclusive, dizem por aí que conseguir uma entrevista com El Sol de México é um verdadeiro feito! Quando rola, é tudo muito controlado por sua equipe (tudo mesmo, das perguntas que são feitas até as selfies tiradas com o cantor!😮).

Mas, espera-se que a série bote pra jogo todas as tretas que marcaram a vida de Luis Miguel. O desaparecimento da mãe quando ele ainda era criança, os problemas do pai com o álcool, as festas babadeiras do cantor, seus excessos e caprichos, sua relação com a filha Michelle Salas, os relacionamentos amorosos, os problemas que levaram Luis Miguel a desaparecer dos palcos e, por fim, o reaparecimento, o ‘Eclipse de El Sol’ (☀).

Há mais de dez anos sem lançar um álbum, afastado dos palcos e enfrentando ações judiciais que vêm dando o que falar, essa produção da Netflix é encarada com uma oportunidade de levantar a carreira do cantor e melhorar sua imagem.

Esperamos, de verdade, que a série seja todo un éxito! ✨🍀✨ (afinal, o homem é um Sol de talento, não é meus amigxs?!).

Pelo menos, nós aqui já queremos 2018 (que trará também a 2° temporada de Ingobernable!) 🙂

E enquanto a série não chega, confira as 10 músicas de Luis Miguel que não podem faltar na sua playlist

Gostou da Calle Hispánica? Então, curta a Fan Page no Facebook e não perca nenhuma postagem! 😉

Dobradinha: 5 músicas metade em espanhol e metade em português 🙂

Que o espanhol é um idioma incrível e cheio de charme, isso a gente já sabe! Afinal, a Calle Hispánica reafirma essa verdade em cada postagem 💜 rs

No entanto, também é verdade que quando rola uma dobradinha Espanhol/Português, a gente simplesmente ama! 😍

Por isso, separamos 5 músicas que transitam entre esses dois idiomas e que contam com a participação dos nossos artistas brasileiros 🇧🇷

(Obs.: Sim, é claro que o Alejandro está nesta lista 😜❤)

Confira! 🙂

Miedo – Julieta Venegas e Lenine

Ilusión – Julieta Venegas e Marisa Monte

Donde está el amor – Pablo Alborán e Tiê

Bailando – Enrique Iglesias e Luan Santana

Corazón Partío – Alejandro Sanz (❤) e Ivete Sangalo

Gostou da Calle Hispánica? Então, curta a Fan Page no Facebook e não perca nenhuma postagem! 😉

Para ser tradutor basta dominar um segundo idioma?

Laranja em espanhol? Naranja! Morango? Fresa! E maçã? Manzana!

Fácil traduzir, não é mesmo? Ainda mais hoje em dia, com o digníssimo Google tradutor, certo? Errado! ❌

Ainda que o dicionário defina traduzir como ‘fazer passar (uma obra) de uma língua para outra’, basta pesquisar um pouquinho mais sobre o assunto para perceber que essa atividade vai bem além de, simplesmente, substituir palavras.

E para dar conta dessa tarefa, para montar o quebra-cabeça da tradução, encaixando cada peça no contexto adequado, existem os tradutores. Esses profissionais são responsáveis por construir, num segundo idioma, a ponte que levará o público direto ao lugar onde o autor deu o Checkin. Nesse trajeto, o desafio do tradutor é não permitir que informações e significados se percam pelo caminho.

Sim, meu amigx, traduzir é uma arte! E para entender melhor sobre o assunto, bem como sobre alguns mitos e curiosidades do espanhol, a Calle Hispánica conversou com a tradutora, revisora e professora Damiana Rosa de Oliveira.

“Quando comecei ainda prevalecia fortemente a ideia de que espanhol era fácil de entender e que não precisava ser traduzido. Hoje, as coisas estão mudando e o mercado cresceu consideravelmente. Muitas multinacionais agora possuem uma comunicação única em espanhol com as suas filiais da América Latina, então há uma necessidade diária de tradução do espanhol ao português. Com o advento da Netflix, o mercado da legendagem também aqueceu: há muito conteúdo em espanhol hoje disponível já legendado e dublado para o português, e acredito que este seja só o começo. Além disso, cresceu muito a legendagem de cursos EAD e vídeos institucionais”, explica Damiana.

O papel do tradutor

Levando-se em consideração o mar de palavras que exite num idioma, surge a seguinte questão: seria possível dizer que tudo (T-U-D-O!) é traduzível?

Damiana destaca que o papel desse profissional é, justamente, tornar viável o acesso ao significado. “Isso não é fácil, pelo contrário, é árduo e faz sofrer o tradutor. Mas é o que torna a tradução uma arte. Uma vez me enviaram um slogan que perderia seu significado se eu realizasse uma tradução literal. Conversei na época com a equipe de publicitários que pensou a campanha, expliquei a dificuldade. Encaminhei para eles mais ou menos umas 10 opções diferentes de slogans em que o sentido original não se perdesse para que escolhessem o que se aplicaria à campanha em espanhol. Tornar tudo traduzível é a difícil arte do tradutor”.

Espanhol, Português e a tal semelhança

Especificamente no caso do espanhol, algumas pessoas negligenciam seu estudo por considerá-lo fácil, devido a uma aparente semelhança ao português. A essas situações, Damiana responde com a conhecida frase ‘nada é o que parece ser!’.

“Hoje este estigma está mudando até porque os brasileiros têm viajado mais e sentido na pele a falta que faz levar o espanhol a sério. As empresas também têm exigido no mínimo um espanhol intermediário, porque estão enxergando as potencialidades de comercialização com os países vizinhos”.

Pontos de atenção

Quanto às questões mais delicadas do espanhol, a tradutora afirma que a linguagem coloquial é sempre difícil e delicada e que “é preciso ter muita sensibilidade para garantir a mesma fluidez”, explica.

Para ser tradutor

Ao contrário do que muita gente acredita, para traduzir não basta dominar um segundo idioma. Para atuar nesta área, Damiana também considera fundamental  amar sua língua materna. “Amar sua ortografia, gramática, sonoridade. Amá-la por inteiro. O bom tradutor tem que ser desconfiado, não pode nunca se contentar com a primeira definição que encontrar no dicionário. Deve ter alma de pesquisador. Costumo brincar que tradutor é aquele que lê embalagem de margarina no café da manhã, que lê todos os manuais dos eletrodomésticos, livros bons e ruins. É importante ler de tudo um pouco, conhecer bem diferentes gêneros e formatos de texto. E manter-se sempre atualizado”, explica Damiana.

E para quem está pensando em começar a atuar na área da tradução, anota aí a dica da profissional: “mantenha-se atualizado. Nesta área você precisa mostrar a sua capacidade: estude, faça cursos, participe de congressos e encontros da área. Esteja por dentro das novidades tecnológicas e converse com colegas tradutores”, orienta Damiana.

Anotou? 🙂

Ótimo! Mas essa conversa não termina por aqui, não! 👇

Confira a entrevista completa com a tradutora, revisora e professora Damiana Rosa de Oliveira

Gostou da Calle Hispánica? Então, curta a Fan Page no Facebook e não perca nenhuma postagem! 😉

Confira a entrevista completa com a tradutora Damiana Rosa de Oliveira

Seguindo com o nosso bate-papo sobre tradução, confira a entrevista (¡completica!) com a tradutora, revisora e professora Damiana Rosa de Oliveira 🙂

*Damiana Rosa de Oliveira

Conta pra gente um pouco da sua história com o espanhol

A língua me escolheu. Acho que a minha história de amor com o espanhol começou com o meu pai. Papai ama boleros. Tenho lembranças de aos 4, 5 anos, cantar “Quizás, quizás” sentada no colo dele, ouvindo um disco que ele gostava muito do Nat King Cole cantando em espanhol. Minha mãe sempre leu muito e me levava à biblioteca com ela toda semana. Foi lá que me deparei pela primeira vez com um livro do Pablo Neruda, uma antologia em espanhol. Aí decidi a língua que queria estudar. Comecei meus estudos em um projeto do Estado de São Paulo, o CEL (Centro de Línguas). Depois fiz aulas particulares com a Profa.María del CarmenCurbelo Martín, hoje minha vizinha, que é filha de espanhóis e tinha morado um bom tempo nas Ilhas Canárias. Desde então nunca mais parei de estudar e me aprimorar.

Também não escolhi a tradução: ela me escolheu. Aos 20 anos, em 2003, fui selecionada, por causa do espanhol, para trabalhar como assistente do Prof. Dr. José Marques de Melo e da Profa. Dra. Maria Cristina Gobbi, na Cátedra Unesco de Comunicação para o Desenvolvimento Regional. Lá tive um contato amplo com a língua, pois atendia colombianos, argentinos, peruanos, mexicanos, paraguaios, equatorianos, espanhóis, etc. Na Cátedra, pude conhecer e vivenciar a pluralidade de sotaques, a diversidade cultural, a beleza da nossa América Latina.

A profa. Gobbi, atenta a este meu encantamento, um dia pediu que lhe traduzisse um artigo. Fiquei apavorada! Nesta época já estava cursando a minha licenciatura em Letras e sabia muito bem da responsabilidade que envolvia traduzir um texto. Sofri muito para traduzir o artigo, mas ela gostou bastante do resultado, mostrou para o Prof. Marques que aprovou e começou a me passar textos seus para eu traduzir. De repente me dei conta de que era a tradutora da Cátedra, traduzindo publicações, artigos, etc.

Às vezes assumia até o papel de intérprete, quando recebíamos palestrantes para os congressos ou reuniões. Gostava muito de ser intérprete do conselheiro regional de comunicação para a América Latina, o Dr. Alejandro Alfonso, pois me dava sempre muito incentivo e dicas de leitura preciosas. A Cátedra foi uma excelente escola de aprendizagem prática. Foi lá que vivenciei a tradução profissionalmente.

Depois, fui me aprimorar na Universidade Gama Filho, onde cursei pós-graduação latu-sensu em Tradução-Interpretação Português-Espanhol e Espanhol-Português. Então decidi que era hora de caminhar sozinha e iniciei a minha carreira autônoma, que exerço até hoje.

Como você definiria a arte de traduzir?

Traduzir é alquimia. É transmutar o significado de uma língua para a outra, com o mínimo de perdas.

A partir de sua experiência na área de tradução, é possível dizer que tudo é traduzível?

O grande Paulo Rónai afirmava que: “O objetivo de toda arte não é algo impossível? O poeta exprime (ou quer exprimir) o inexprimível, o pintor reproduz o irreproduzível, o estatuário fixa o infixável. Não é surpreendente, pois, que o tradutor se empenhe em traduzir o intraduzível”.

Penso que o papel do tradutor é viabilizar o acesso ao significado. Isso não é fácil, pelo contrário, é árduo e faz sofrer o tradutor. Mas é o que torna a tradução uma arte. Uma vez me enviaram um slogan que perderia seu significado se eu realizasse uma tradução literal. Conversei na época com a equipe de publicitários que pensou a campanha, expliquei a dificuldade. Encaminhei para eles mais ou menos umas 10 opções diferentes de slogans em que o sentido original não se perdesse para que escolhessem o que se aplicaria à campanha em espanhol. Tornar tudo traduzível é a difícil arte do tradutor.

Qual palavra ou expressão você encontrou mais dificuldade para traduzir?

Provérbios e ditos populares. Uma vez o prof. José Marques de Melo escreveu um discurso para um evento que participaria no México, em que usava provérbios para dar graça ao texto. Ganhei muitos cabelos brancos tentando encontrar provérbios mexicanos equivalentes que se encaixassem no discurso. Durante a minha pós-graduação, desenvolvi uma monografia que tratou da dificuldade de se traduzir provérbios por conta desta experiência.

E qual palavra ou expressão em espanhol você acha mais curiosa?

São tantas! Meu lema de vida é “Pereza, llave de la pobreza”. Mas sou apaixonada pela palavra “corazonada”, talvez porque me deixo levar por las corazonadas, sempre.

Na sua opinião, qual ponto do idioma você considera mais difícil ou delicado?

A linguagem coloquial é sempre difícil e delicada. É preciso ter muita sensibilidade para garantir a mesma fluidez. A comédia também é uma pedra no sapato do tradutor. Legendar o filme do Didi “O caçador de Tesouros” foi uma aventura, literalmente. O Didi gosta de brincar com as palavras e garantir essas brincadeiras em espanhol gerou muita tensão. Os tradutores nativos não conseguiam absorver muitas dessas brincadeiras, então tive que criar uma primeira versão para que em equipe pudéssemos recriar jogos com palavras para que o filme não perdesse o tom de humor.

E qual trabalho de tradução (ou legendagem) você mais gostou de fazer?

Todos! Cada trabalho é gerado e parido como um filho. Mas claro que alguns foram marcantes. Na legendagem, a série argentina “Cromo” e o filme “Un paraíso para los malditos” me marcaram bastante. Curioso foi legendar o filme dos Cavaleiros do Zodíaco, porque fiz a legenda em português usando como base o filme legendado em espanhol.

Em tradução técnica, acho que a coisa mais curiosa que já fiz foi traduzir a papelada de exportação de uma girafa. Traduzi todos os laudos e exames assegurando que ela estava em plena saúde para fazer a viagem para a América Latina. A papelada era necessária para que um médico veterinário pudesse atestar no país de chegada que a girafa estava nas mesmas condições de saúde do país de origem. Nunca imaginei traduzir algo assim!

Como você enxerga o mercado de tradução ‘espanhol-português’ atualmente? 

Quando comecei ainda prevalecia fortemente a ideia de que espanhol era fácil de entender e que não precisava ser traduzido. Hoje, as coisas estão mudando e o mercado cresceu consideravelmente. Muitas multinacionais agora possuem uma comunicação única em espanhol com as suas filiais da América Latina, então há uma necessidade diária de tradução do espanhol ao português. Com o advento da Netflix, o mercado da legendagem também aqueceu: há muito conteúdo em espanhol hoje disponível já legendado e dublado para o português, e acredito que este seja só o começo. Além disso, cresceu muito a legendagem de cursos EAD e vídeos institucionais.

Devido a uma “aparente” semelhança ao português, muitas pessoas consideram o espanhol um idioma fácil e, inclusive, negligenciam o seu estudo por isso. O que você responde quando alguém diz algo do tipo “espanhol é fácil porque parece com o português“?

“Nada é o que parece ser!” Hoje este estigma está mudando até porque os brasileiros têm viajado mais e sentido na pele a falta que faz levar o espanhol a sério. As empresas também têm exigido no mínimo um espanhol intermediário, porque estão enxergando as potencialidades de comercialização com os países vizinhos.

Muitas pessoas acreditam que para traduzir basta dominar um idioma. Mas, quais pré-requisitos você considera fundamentais para que alguém possa trabalhar como tradutor?

Precisa amar sua língua materna: amar sua ortografia, gramática, sonoridade. Amá-la por inteiro. O bom tradutor tem que ser desconfiado, não pode nunca se contentar com a primeira definição que encontrar no dicionário. Deve ter alma de pesquisador. Costumo brincar que tradutor é aquele que lê embalagem de margarina no café da manhã, que lê todos os manuais dos eletrodomésticos, livros bons e ruins. É importante ler de tudo um pouco, conhecer bem diferentes gêneros e formatos de texto. E manter-se sempre atualizado.

E para quem está pensando em começar a atuar na área de tradução, qual conselho você daria?

Mantenha-se atualizado. Nesta área você precisa mostrar a sua capacidade: estude, faça cursos, participe de congressos e encontros da área. Esteja por dentro das novidades tecnológicas, converse com colegas tradutores. Penso que muitos não ingressam na área não por falta de conhecimento, mas por não saber por onde começar. É importante conhecer bem o mercado de tradução e traduzir somente aquilo que você se sente capaz de realizar. É importante por isso conhecer bem o seu trabalho: quanto tempo você leva para traduzir diferentes tipos de textos. É essencial conhecer bem seu próprio trabalho para fazer orçamentos realistas. Novos clientes sempre surgem a partir de indicações, então se você faz um trabalho bem feito, entregue no prazo e que deixa o cliente feliz, ele com certeza vai te indicar.

*Damiana Rosa de Oliveira é graduada em Letras pela Universidade Metodista de São Paulo, é pós-graduada em Tradução-Interpretação Espanhol-Português na Universidade Gama Filho. Possui conhecimentos em história da arte (cursos de extensão no MASP), e realiza viagens frequentes ao exterior para aperfeiçoar o idioma e sua formação cultural. Trabalhou na Cátedra UNESCO de Comunicação para o Desenvolvimento Regional por 5 anos, onde desenvolveu atividades ligadas à pesquisa e extensão na área de Comunicação Latino-Americana. Já efetuou trabalhos de revisão e tradução em espanhol e português, com vasta experiência na área (Ed. Paullus, Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, Editora da Universidade Metodista de São Paulo, etc.) em temáticas diversas, abrangendo desde engenharia civil, informática a artigos acadêmicos, literatura, cinema, educação, música e cultura. Também legendas filmes, novelas e documentários. Atualmente, Damiana também ministra aulas online na Escola de Tradutores, espaço que oferece cursos de formação para quem deseja ingressar nessa área (inclusive, fica a dica!🙂)

Gostou da Calle Hispánica? Então, curta a Fan Page no Facebook e não perca nenhuma postagem! 😉

DES-PA-CITO: 5 motivos que fizeram da música verdadeiro um sucesso

Precisamos falar sobre DES-PA-CITO!

Ok, ainda estamos em maio (ou seja, nem chegamos à metade do ano!), mas vamos combinar: Despacito já é a música de 2017, galera!

A música foi lançada em 13 de janeiro e, de lá pra cá, é puro lacre! Prova disso é que  Despacito é a primeira música em espanhol a liderar o ranking mundial das mais tocadas no Spotiffy.

Não há como negar que Luis Fonsi e Daddy Yankee acertaram EM CHEIO! E aí a gente fica se perguntando: Mas, afinal de contas, qual é o segredo do sucesso de Des-pa-cito? Então, a Calle Hispánica separou 5 razões que fizeram da música dos muchachos puertorriqueños todo un éxito.

¡Adelante!

O ritmo. A batida é simplesmente contagiante! Basta começar o des-pa-cito, que a gente já começa dançar (nem que seja com os ombrinhos! 😜 rs).

 O cenário. Gravado em San Juan, capital de Porto Rico, o clipe teve como cenário a comunidade La Perla e o clube La Factoría, localizados na zona velha da cidade. E aí eu pergunto a vocês: O que são aquelas imagens aéreas do mar e de La Perla😍 

A letra. É caliente (¡y me gusta!), caminha pela sensualidade, mas não é daquelas letras explícitas que chegam a dar vergonha de cantar. E outro ponto forte: é um reguetón que não apela para o machismo (mais um ponto para Despacito!)

Transpira latinidade. Nosso tempero latino pulsa lindamente nessa música! ❤ A alegria, a energia e a vibração (✨) do povo latino é palpável tanto no ritmo quanto nas imagens do clipe! Quem resiste?

En Español. Para conquistar de vez um lugar na nossa playlist, a música é 100% em espanhol. Atualmente, Despacito já conta com outras versões, mas ela chegou ao topo das paradas sendo cantada exatamente assim, en español! 😎

Dito isso, só nos resta assistir (de novo!) ao vídeo em língua espanhola com mais visualizações!🙂 Obs.: Pode dançar! 😜

Y además…

Te dejamos una entrevista en la que Luis Fonsi nos cuenta un poco más sobre Despacito 🙂

Gostou da Calle Hispánica? Então, curta a Fan Page no Facebook e não perca nenhuma postagem! 😉

Página 2 de 2

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén