Pesquisando informações e dicas para fechar seu roteiro de viagem ao Peru? 🛫🌎

Então, pegue uma caneta e um caderninho de anotações (📝), acomode-se bem aí no seu lugarzinho e confira as dicas (várias! 💛) da jornalista Ana Paula Brum, que esteve no Peru, e também na Bolívia, em abril deste ano.

Como a Ana fez um relato recheado de informações importantes (por exemplo, sobre o clima, o transporte, a altitude e os pontos turísticos), dividi o post em duas partes.

Dito isso, bora começar esse passeio! 😎 👣

Há quase 15 anos, quando estudei espanhol com o professor Richard Hermoza, na extinta Casa Latina, em Belo Horizonte, já despontou minha primeira vontade de conhecer o Peru. Richard nasceu em Arequipa e tinha muito orgulho de contar as lendas da região. Ficava encantada com aquelas histórias lindas, repletas de misticismo e de uma magia que nunca havia escutado antes. Mas foi só neste ano que a vontade se concretizou. Antes de definirmos o roteiro, o Rodrigo, meu marido, e eu pesquisamos bastante sobre as belezas naturais e sobre a culinária local, itens tão destacados pelos turistas que já visitaram o país. Chegando lá, o que mais nos impressionou não foram esses pontos e sim a simplicidade e a gentileza dos peruanos. Que povo mais fofo e mais feliz! A vontade que tinha era sair abraçando todo mundo e guardar todos em uma caixinha!

Ao todo, ficamos 15 dias no país. Chegamos por Lima e lá ficamos quatro dias. De cara já levamos um susto com o trânsito caótico da capital do país. Nunca ouvi tanta buzina em toda minha vida! Parece que é regra dirigir e buzinar ao mesmo tempo, mesmo sem motivo. Ficamos no bairro de Miraflores, um dos mais turísticos, com parques maravilhosos ao longo da costa do oceano Pacífico: o Malecón de Miraflores.

Malecón de Miraflores, em Lima / Imagem: Rodrigo Silva

O Malecón fica na parte de cima da costa, no topo das falésias do bairro, e dá para ir caminhando de uma ponta a outra. São mais de dez parques, um ao lado do outro, e cada um tem um atrativo diferente: Farol da Marina, área de paragliding, Parque del Amor (com a famosa escultura do beijo, de Victor Delfín). Em um dos extremos do Malecón, quase na divisa do bairro Miraflores com o Barranco, está o Shopping Larcomar. Há restaurantes muito bons e o pôr do sol de lá é lindo. Se o dia não estiver nublado, coisa rara em Lima, vale a pena chegar cedo em um dos restaurantes do shopping e acompanhar o sol se pondo no meio do oceano Pacífico. Por ser uma cidade com clima desértico, as chuvas em Lima são bem raras, apesar de o tempo estar sempre nublado. Uma dica é usar muito protetor, pois mesmo coberto por nuvens, o sol queima bastante!

Como meu marido e eu preferimos os passeios a céu aberto, do Malecón seguimos para um outro parque, dessa vez no bairro San Isidro, bem próximo a Miraflores. A principal atração de lá é o Bosque El Olivar, com várias oliveiras bem antigas e casarões ao redor. Um charme! 

Ana e Rodrigo, no Bosque del Olivar, em Lima / Imagem: Rodrigo Silva

Mas de todos os bairros, o mais bacana é o Barranco. É um bairro boêmio, com muitas cores (grafites nas paredes, casinhas coloridas) e muito alegre. Vale a pena ir à tarde, ainda durante o dia, para ver todas essas cores, e ficar até a noite em algum barzinho ou restaurante. A iluminação da noite também é bem bacana.

Para conhecer a parte mais histórica da cidade, um passeio pelo Centro é fundamental.

Centro Histórico / Imagem: Rodrigo Silva

As principais atrações são a Plaza de Armas, a Catedral, os palácios e os conventos que ficam nas redondezas. Estando pelo centro, vale dar um pulinho no Museu Larco, que conta a história dos povos peruanos antes mesmo dos Incas. Em praticamente todos os guias e blogs que eu li, esse museu é citado como muito importante, principalmente para conhecer antes de visitar os sítios arqueológicos do país e entender melhor como eram as civilizações antigas.

Outro ponto turístico mais ou menos próximo do centro histórico é o Circuito Mágico del Agua, que fica no Parque de la Reserva. O espaço possui várias fontes de água, em formatos diferentes, e as pessoas (principalmente as crianças e adultos como o Rodrigo) super se divertiam passando embaixo das fontes ou tentando se esquivar de jatos de água que saem do chão. Eu não me arrisquei, mas pelo tanto que as pessoas riam, parecia ser bem divertido. À noite há um show holográfico em uma dessas fontes. Achei essa parte bem baranga, mas como a gente já estava lá, ficamos para ver.

Circuito das Águas / Imagem: Rodrigo Silva

*Ana Paula Brum

Clique aqui e continue esse passeio com a gente! 👣

Gostou da Calle Hispánica e não quer perder nenhuma postagem? Então, curta a Fan Page no Facebook e siga a Calle no Instagram! 😉