Oi, genteee! 😆

As férias foram lindas, mas eu PRECISO dizer que sim, eu estava morrendo de saudades de escrever pro blog ❤.

E antes de começar com as postagens sobre o meu amadíssimo México, vamos colocar em dia o nosso Desafio Lieterário da Calle, com a resenha do livro “La Mentira”, escrito pela Caridad Bravo Adams.

Lembrando que o tema de outubro era Um livro escrito na década de 1950.

Obs.: Essa é a segunda obra que leio da Caridad e estou curtindo demais sua narrativa! Tenho o firme propósito de seguir lendo seus livros 📚🙂.

Enredo

A história de “La Mentira”, escrita em 1952, se desenrola no nosso Brasil, brasileiro.

 “En el fin del mundo, en el corazón de la selva, en el rincón más apartado del Estado de Mato Groso; esto es, en el centro mismo de América, en las selvas de aquel Brasil inexplorado e inmenso, se alza en efecto Porto Nuevo”

Quem desembarca nesse cenário é Demétrio de San Telmo, que retorna ao Brasil para ajudar o irmão, Ricardo Silveira, que passava por um momento difícil após ser enganado e roubado por “una mala mujer”.

No entanto, Demétrio chega à fazenda de Ricardo tarde demais, pois seu irmão já havia cometido suicídio 😨.

– ¿Entonces mi Hermano se ha suicidado? ¡Mi Hermano ha muerto por una mujer! ¿Puedo saber su nombre, Reverendo? ¿Quiere decírmelo ahora mismo?

– Mi pobre amigo… su nombre, el nombre de ella no lo sé. Sospecho que solo Ricardo podría decirlo y se llevó su secreto a la tumba. Su hermano bebía espantosamente, tomaba luego medicinas y calmantes para aplacar sus nervios, píldoras, narcóticos… ¡qué se yo!

Diante dessa verdade, Demétrio jura encontrar essa mulher vingar a morte do irmão. E, partir desse ponto, começam as tretas. Isso porque, todo mundo sabia da existência da tal mulher, mas ninguém sabia o nome dela. A única pista até então, era que seu nome iniciava com a letra “V”.

“una mujer cuyo nombre empieza com ‘V’ (…) Dolo por dolor… miseria por miseria… Lágrima por lágrima tengo que cobrárselo”.

Sabendo que, antes de partir para o Mato Grosso, Ricardo (que era advogado) foi o braço direito da família Castelo Branco, uma das mais ricas e importantes do Rio de Janeiro, Demétrio decide iniciar sua busca justamente lá.   E como diz o ditado, “Quem procura, acha”, o muchacho achou, de cara, duas jovens primas (e sobrinhas de Teodoro Castelo Branco), Virgínia e Verônica (que se apaixona por ele já de cara).

Após algumas investigações e muitas intrigas, Demétrio chega à (equivocada) conclusão de que Verônica é a mulher que enganou seu irmão. E quem o “ajuda” a pensar dessa forma é ninguém menos que Virgínia, a verdadeira culpada.

E mesmo correspondendo ao amor de Verônica, ele decide seduzir a jovem, pedi-la em casamento e levá-la para o coração da selva brasileira, fazendo-a pagar o sofrimento do irmão.

Demétrio empenha-se para mostrar-se frio, indiferente e até grosseiro com ela, que sempre se perguntava a que se devia à mudança do rapaz. Daí até o desenlace dessa treta, a muchacha sofre, viu?!

Vale a leitura?

Gente, sou muito suspeita para falar sobre a narrativa da Caridad Bravo. No caso de La Mentira, descobri que a novela estrelada pelo Guy Ecker e pela diva Kate Del Castillo, é bem fiel ao livro. No entanto, o que achei mais interessante na obra original é a ambientação feita no Brasil. (Vou passar a visão pra vocês: Verônica é carioca, tal como yo! 😎 rsrs)

A história tem pontos altos de drama e intensidade, mas sem deixar de lado o nosso bom, rosa e velho romance. E, assim como na novela, minha parte favorita nessa história é, sem dúvidas, quando toda a verdade vem à tona!  É maravilhoso ver Verônica esfregar sua inocência na cara de Demétrio 😂.

Então, é isso, pessoal! Agora, vamos ao próximo tema que é “Uma biografia” 🙂. Já escolhi qual e conto pra vocês lá no Intagram da Calle. Vem comigo! 😉

Gostou da Calle Hispánica e não quer perder nenhuma postagem? Então, curta a Fan Page no Facebook e siga a Calle no Instagram! 😉