Calle Hispánica

Um passeio pela cultura em espanhol

Mês: março 2018

Guia Calle Hispánica: Roteiro de 3 dias em Mérida (México)

Por que Mérida? 🤔 Eis a pergunta que muitas pessoas me fizeram quando eu dizia que esse lugar estava no meu roteiro de viagem ao México.

Eu conheci a cidade através da telenovela (TINHA QUE SER! 😅 Hahaha) Sortilégio. A produção da Televisa, de 2009, era ambientada em Mérida e também em Valladolid, que está construída sobre o antigo centro cerimonial maia de Zací.

Lembro que assisti à novela em 2013 e fiquei simplesmente encantada com aqueles ares de cidade pequena, cheia de vida e de cores! 💜

Mérida, Yucatán

Então, daí vem meu interesse por esse lugar! 😄

Nosso roteiro por lá foi mais curtinho, mas igualmente incrível! Aí vão as dicas preciosas!

1° dia

Nós nos hospedamos a uns 15 minutos de ônibus do Centro de Mérida, mas não vimos nisso um problema. A passagem lá custa bem baratinho, apenas 8 pesos e, praticamente todos os ônibus passam pelo Centro.

Para esse primeiro dia, nos programamos para conhecer os lugares históricos do Centro, como o Palacio de Gobierno, Catedral de San Idelfonso, Centro Cultural Olimpo e Pasaje Picheta. A entrada em todos esses lugares é gratuita e eles ficam muito próximos um ao outro, dispensando transporte.

Palácio de Gobierno, Mérida

Palacio de Gobierno, Mérida

Catedral de San Idelfonso, Mérida

No entanto, nós optamos por embarcar no turibus (120 pesos por pessoa), que faz um tour bem legal por todos esses lugares, explicando alguns detalhes sobre cada um deles, e ainda vai até o Monumento a La Patria, que aparecia em cena sim e cena também sim na novela Sortilégio rsrs.

➡ Obs. 1: Acho importante não programar muitas coisas para esse primeiro dia. Pessoal, eu sou carioquíssima da gema e lhes digo com toda a segurança: O calor que faz em Mérida é BEM, BEM parecido ao do Rio de Janeiro 🔥😥. Então, se você não está muito acostumadx a temperaturas altas, sofrendo com quedas de pressão e moleza no corpo, vai por mim. Programe um primeiro dia mais tranquilinho e aproveite para ficar pelo Centro de Mérida, conhecendo de boas os lugares históricos, que já será um roteiro recheado de cores! 😍

2° dia

Para o segundo dia, nós compramos um tour BEM LEGAL que tinha a seguinte programação: A cidade amarilla de Izamal , visitação a um Cenote, Chichen Itzá e a cidade de Valladolid.

Conforme expliquei lá no roteiro de 5 dias na Cidade do México, os tours compartilhados têm a desvantagem do tempo, já que as visitas são todas com hora marcada para terminar. No entanto, para nós, ainda assim foi positivo, já que não tivemos as preocupações do tipo “como chegar até lá e como voltar”. Lembrando que esses lugares contemplados pelo tour estão localizados fora de Mérida.

Izamal

Izamal, um dos 111 Pueblos Magicos de México, fica a 1 hora de carro de Mérida. Seu nome significa Rocío del Cielo 😍.

A cidade colonial foi construída sobre os vestígios de uma antiga cidade maia e a cor amarela que vemos em praticamente todas as construções é uma referência às cores do Vaticano. Isso porque em uma das visitas feitas pelo Papa, decidiu-se unificar o povoado, pintando-se as construções de uma só cor.

E a Ciudad Amarilla foi a primeira parada do nosso tour. Lá, encontramos o Templo de la Purísima Concepción, o ex-Convento de San Antonio de Padua, a pirâmide Kinich Kakmó, uma feirinha de artesanato, comida típica, além de um banho de história e cultura.

➡ Obs. 2: A dica para visitar Izamal é a seguinte: carregue bem a bateria do seu celular e/ou da sua câmera e torça para o tempo colaborar. Isso porque o sol, o azul do céu e a cora amarela do lugar dão um contraste INCRÍVEL para as fotos! 📸💛

Chichén-Itzá

Se o seu roteiro inclui a Penísula de Yucatan, então, pelo amor do que você acredita, não deixe Chichén-Itzá de fora. O sítio arqueológico foi eleito uma das sete maravilhas do mundo e nos traz um misto de beleza, magia e mistério ✨.

Para os mexicanos que apresentam um documento de identificação oficial e com foto, a entrada é gratuita. Já para nós, o ingresso custa em torno de 270 pesos.

➡ Obs. 3: No sítio arqueológico há MUITOS vendedores ambulantes e eles se empenham bastante em vender sus artesanías. Tanto que alguns até arriscam um pouco de português 😄 rs.

A questão é: Assim como em Teotihuacan, na Cidade do México, em meio a tantas peças e preços, é importante estar atento para não comprar gato por lebre, ok? 😉

Ao contrário da Pirâmide do Sol, que fica lá em Teotihuacan (DF), não é permitido escalar essa belezura de pirâmide aí de Chichén-Itzá. Mas, vamos combinar?! A foto em frente já tá valendo, né non?! 😍

Cenote

Ah, os cenotes… 💕 Lá no site oficial do Visit Mexico, eles definem cenote como um afundamento no solo de pedra calcária da península de Yucatán. Graças aos rios subterrâneos da região, com o passar do tempo, formaram-se cavernas e piscinas naturais nesses afundamentos.

Um cenote pode ser aberto, semi aberto ou fechado. Nós visitamos um fechado, que foi descoberto no quinta da casa de uma senhora (mega sortuda!). Lá em Mérida, quem descobre um cenote em suas terras, é legalmente considerado dono. A senhorinha, esperta que é, construiu uma estrutura para receber os turistas e passou a cobrar a taxa de 50 pesos por pessoa, pela visitação. Esse preço inclui também o colete salva-vidas.

Gente, o visual é simplesmente MÁGICO ✨

Cenote fechado

Valladolid

Sou suspeitíssima para falar sobre Valladolid! A cidadezinha, tradicionalmente conhecida como La Capital del Oriente Maya, também é um dos Pueblos Magicos de México e tem um clima super gostoso! ❤

Valladolid está construída sobre o antigo centro cerimonial maia de Zací. No centro da cidade encontramos o Parque Francisco Cantón Rosado, onde também está a igreja de São Servacio (Teve cena da personagem Maria José, de Sortilégio, chorando nessa igreja, mi gente buena! 😄 rsrs).

3° dia

➡ E esse terceiro dia já entra inteirinho como dica! Se você curte feirinhas, artesanatos e un chorro de productos regionales, então reserve um dia inteirinho para passear pelas lojinhas do centro de Mérida 👣.

Ainda que você não vá comprar, vale muito à pena esse passeio para conhecer e registrar la artesanía regional.

Confira ainda:

➡ Guia Calle Hispánica: Viajando pela Viva Aerobus

➡  Guia Calle Hispánica: 5 coisas que ninguém te conta sobre a Cidade do México

Gostou da Calle Hispánica e não quer perder nenhuma postagem? Então, siga a Calle no Instagram! 😉

Resenha: Documentário argentino “Un Tango Más”

Cumprindo a meta do 3° dia do desafio “Sete metas para sete dias”, escolhi o documentário argentino Un Tango Más, do diretor German Kral.

A história contada é a dos bailarinos  María Nieves e Juan Carlos Copes, figuras que marcaram a história do tango argentino.

Desde mi más humilde punto de vista, o documentário é simplesmente um filmaço!💜 A produção alterna (de forma muito inteligente!) o relato dos protagonistas com a interpretação “dançada” de bailarinos/atores.

E o filme nos traz não apenas a história de María e Juan, mas também reflexões bastante profundas sobre relacionamentos, escolhas e vida.

“No va a llegar a haber nunca más una pareja de tango como la nuestra” – María Nieves

Juana Carlos Copes e María Nieves / Foto: Distribution Company

Através de um passeio por imagens, fotografias e memórias, María resgata e compartilha com o público sua história de amor com o tango, que está tão intimamente relacionada à sua história com Juan Carlos. Inclusive, em um de seus depoimentos, María conta que, no início, rendeu-se ao tango apenas para estar com Juan. E eis que um amor levou ao outro. A dupla casou-se e dividiu durante muitos anos os palcos e a vida.

O talento e a paixão pela dança fez com que Buenos Aires ficasse pequena demais para eles. E, então, cruzaram o mundo, chegando até a Broadway.

No entanto, ao longo desses anos, enfrentaram muitos conflitos na vida pessoal.

María conta no documentário que, em nome do tango, abriu mão da maternidade, trazendo a tona essa questão tão  complexa e tão nossA.

María dedicou-se ao bailado de corpo e alma e, entre coreografias e apresentações, não viu o tempo passar.

Juan Carlos, por outro lado, teve outras mulheres e duas filhas.

Un baile que trascendió los conflictos

A história  dos dois é permeada por emoções tão intensas quanto o bom e velho tango. E o mais surpreendente do documentário é que essa onda de sentimentos diversos é quase palpável nas cenas, diálogos e danças. Emoções à flor da pele é o que temos aqui! ❤

Fim da parceria

A relação entre os dois deteriorou-se a tal ponto que, ao final da parceria de trabalho (o casamento já havia terminado), María e Juan Carlos já não se falavam e, nem mesmo se olhavam.

E por que ainda dançavam juntos? Porque o amor que eles tinham pelo tango era muito maior que o descontentamento que sentiam por ainda terem que conviver um com outro, estando ambos conscientes de que juntos eram maiores.

E ela conta que a separação artística lhe doeu muito mais.

No filme, María e Juan gravaram as cenas em separado, cada cual por su lado. Compartilharam uma história que fez (e faz!) do tango argentino um elemento cultural ainda mais importe no mundo da dança. No entanto, já não compartilham nada mais que isso 😟.

Para nós, telespectadores, fica muito claro que Un Tango Más não é apenas um documentário biográfico. O filme é um mergulho na reflexão sobre como lidar com emoções tão intensas, como paixões, desilusões e mágoas. E toda essa reflexão vem embalada por esse ritmo tão envolvente e marcada pelos passos certeiros. Todos esses elementos nos prendem à tela até a última cena!

Além disso (tudo) que pontuei acima, o documentário ainda nos leva por um passeio muito gostoso por Buenos Aires, revisitado as casas noturnas onde María Nieves e Juan Carlos costumavam se apresentar, e indo a lugares da Buenos Aires atual, como cafeterias e pizzarias.

Bom, resumindo o que eu tenho a dizer a vocês a respeito de Un Tango Más: Apenas vejam! ❤

Y además…

Te dejo una entrevista con María Nieves 🙂

Gostou da Calle Hispánica e não quer perder nenhuma postagem? Então, siga a Calle no Instagram! 😉

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén