Calle Hispánica

Um passeio pela cultura em espanhol

Mês: maio 2018

Universidade Pessoal: Especialização em Cultura Hispânica

Já faz um tempo que venho buscando algo novo para aprofundar e refinar meus conhecimentos sobre essa imensidão chamada Cultura Hispânica. Busquei opções de cursos livres, graduação, pós-graduação, intercâmbio… Tudo que vocês possam imaginar! No entanto, avaliando o conteúdo oferecido, percebi que todas essas possibilidades eram voltadas para professores (ou seja, com conteúdo especificamente voltado para o ensino da Língua Espanhola) ou para alunos que desejam o aprofundamento do idioma em termos gramaticais.

E, como a minha outra paixão é o jornalismo, o que eu procuro é algo que parta dessa perspectiva. Resumindo, podemos dizer que meu objetivo é aprender de forma organizada e estruturada a formação histórica e cultural dos países que falam espanhol, partindo de um olhar jornalístico.

Mas, por que estou falando tudo isso?

Bom, depois de tanto pesquisar, pensar e calcular, eu topei com o conceito de Universidade Pessoal, num post do blog Vida Organizada. Lá, a Thaís Godinho explica como decidiu tocar seus estudos sozinha, de forma independente e autodidata.

E então pensei: Por que não?! 🤔 Afinal, é exatamente disso que preciso neste momento, já que essa forma de estudar me permitirá escolher os pontos específicos nos quais desejo me aprofundar.

Sem dúvidas, a vantagem dessa escolha é poder adequar o ritmo de estudos ao meu estilo de vida e, além disso, poder estruturar os conteúdos de forma a atender à minha expectativa de aprendizado.

Por outro lato, tenho plena consciência de que esse é um projeto de longo prazo (tipo, uns bons meses!) e que exigirá não só planejamento e organização, mas também MUITA disciplina. E é aí que vai entrar o foco que aprendi a ter ao longo dos 5 anos de estudos para concursos público 💪.

E como será tudo isso?

Então! Para colocar em prática esse projeto, que chamarei de Especialização em Cultura Hispânica, começarei planejando e estruturando um conteúdo programático. A partir desse conteúdo, partirei para a pesquisa da bibliografia pertinente a cada ponto. Além de livros, também vou recorrer a documentários, vídeo aulas, reportagens especiais e filmes. Ah! E cursos que tenham uma temática pertinente não estão descartados 😄.

A ideia com todo esse trabalho de pesquisa e estudo é desenvolver minha consciência crítica com relação aos assuntos culturais dos países que falam espanhol. E de que forma se desenvolve a consciência crítica, pessoal? Estudando, né non?! 🤓📚📝

Perguntas recorrentes

“Mas, Fernanda, o tema Cultura Hispânica é muito amplo. Quanto tempo isso vai levar? Você tem certeza de que encontrará os materiais necessários para cada ponto do conteúdo programático? Aliás, e esse conteúdo, como será?”

Essas são algumas das perguntas que venho me fazendo desde que nasceu a ideia desse projeto. E eu decidi que vou, simplesmente, deixar fluir. Acredito que se a internet não disponibiliza todas as informações, ela, ao menos, nos oferece uma referência de onde podemos encontrar os dados necessários. Então, bora ver no que dá! 😄

Conforme mencionei, esse será um projeto de longo prazo, construído com muito carinho e dedicação. Além de compartilhar o passo a passo lá no Instagram da Calle, espero encontrar também muitas e muitas pautas para diversificar os assuntos abordados aqui no blog. E, desse jeitinho, eu vou sacramentando essa união entre jornalismo, cultura e espanhol, que são os assuntos que, sem dúvida, fazem meu ❤ bater mais forte. 😍

E aí? Bora seguir nesse passeio pela cultura hispânica?! 🙂👣

#Viagem: Alimentação vegana em Madrid 💚

Será possível manter uma alimentação vegana em Madrid, a cidade internacionalmente conhecida como a terra das touradas?

Para diversificar os olhares e discursos apresentados aqui na Calle Hispánica, eu conversei com a  Ludmila Lima Alves, que esteve em Madrid a trabalho, e aproveitou para descobrir ótimas opções de alimentação vegana por lá.

Confira! 🙂

A vida vegetariana e vegana em Madrid: um pequeno guia de sobrevivência

Sou a Ludmila Alves do blog Bistroveg e hoje estou aqui na Calle Hispanica para contar como é a vida vegetariana e vegana em Madrid.

Pode parecer inusitado, mas acredito que nunca escolhi ser vegetariana. A causa me escolheu! Não como carne desde criança por motivos que desconheço, o que sempre gerou muita angústia nos adultos. Tentaram me convencer, me levaram em médicos, faziam pratos com carne escondida, mas nada funcionou.

Sigo nesse caminho por respeito aos animais sencientes. Também não consumo leite e derivados e nem cosméticos ou vestuários testados ou criados a partir de matéria-prima animal.

É claro que erro, nem posso me dizer vegana porque consumo ovos de galinhas que conheço de vez em quando, mas faço o melhor que posso e esse é o meu objetivo: inspirar outras pessoas a fazerem o que é praticável pelo bem da natureza.

Estou passando uma temporada em Madrid, capital da Espanha, a trabalho e me comprometendo com uma alimentação 100% vegana, o que tem sido bem difícil.

Veganismo em Madrid

Enquanto capitais como Berlin e Londres são consideradas perfeitas para veganos, Madrid segue uma linha bem conservadora. Não é pra menos: o país ainda cultiva a tradição das touradas, que são legalizadas, que nada mais são do que “shows” para machucar um ser indefeso e causar nele uma morte lenta e muito dolorosa.

Outro ponto da cultura carnista madrilenha é o culto ao jamon (presunto) que fica exposto em toda lanchonete aqui. Como as pessoas conseguem lidar com indeferença a patas penduradas no lugar em que se come? É difícil, porém é impossível não ver isso: está em todo lugar.

Se você perguntar de pratos vegetarianos não se assuste se te oferecerem algo com presunto e considerarem carne somente como a carne de boi, como acontece no Brasil.

Aqui se come carne de vaca, porco, cordeiro e frutos do mar em grande quantidade e sem acompanhamentos, somente com pão, o que dificulta comer fora de forma saudável. Ficar só na salada de alface, vinho e pão, por mais vegan que seja, não supre nossas necessidades de nutrientes, sejamos francos.

Os restaurantes convencionais não trazem opções veganas, talvez porque ainda não se importem com isso ou não enxergam demanda para tal. Fato que só vi uma vez um cardápio com opções veganas e que, ainda por cima, dizia “opciones 100% veganas”. Me explica como é um prato 50% vegano? Rsrs

Mas dá pra vegano ir pra Madrid?

Sim! Se nossos valores são fortes tudo é possível.

Existem sim restaurantes 100% veganos por aqui. Não são baratos, nem sempre com pratos elaborados, mas existem os bons que valem a ida naqueles dias que você merece algo especial.

Na hashtag #BistrovegEmMadrid no instagram indico bons lugares com opções veganas na cidade.

Mas a verdade é que se você é como eu e se importa também com a saúde, vai precisar fazer sua própria comida. Terá que ir ao supermercado comprar frutas, salada, castanhas, hummus, pão e o que for consumir. Esse planejamento e dedicação são essenciais pra você ficar de bom humor!

Para não passar tanto aperto, eu trouxe a minha proteína isolada de arroz, por exemplo. Afinal, infelizmente, aqui não é a terra do arroz e feijão, maravilhosa combinação de aminoácidos.

Outra coisa que ajuda muito é desapegar de comer somente o que é típico. Aqui tem ótimas opções e preços em restaurantes arábes, tailandeses e indianos que naturalmente têm muitas opções veganas!

Pense que viajar é algo além da comida. Tem muitos aspectos culturais para você conhecer, ainda mais em um lugar com tanta história como a Espanha.

Comidas típicas daqui em versão vegana

Se você viaja para provar novos sabores, tem lugar pra você em Madrid! Só vai ter que procurar um pouquinho mais!

Já encontrei paella vegana e opções de tapas veganas. Mas não vai muito longe disso já que tem prato que é composto por nada além de carne.

🥗 Sobre se comprometer com uma alimentação #plant-based fora de casa 🥒 Não acho que tem sido fácil ir atrás de opções de comida saudável em Madrid, terra em que tem jamon (o presunto) e pernas de animais penduradas em todo lugar e muitas padarias com itens nada naturais. . Mas quando queremos, damos um jeito! 💚 O importante é usar nosso direito de escolha em vez de ser refém das opções de mais fácil acesso, que sempre são as mais processadas. . O que fazer pra se nutrir com o máximo de alimentos naturais fora de casa é: 🥦descubra bons supermercados próximos. Entenda “bons” como aqueles que não vendem apenas pacotinhos, mas que contam com uma boa oferta de frutas e verduras! Faça uma pesquisa prévia pra não ficar a mercê de lojas de conveniência onde as coisas são mais caras. . 🥦leve frutas e oleaginosas com você. Elas salvam a gente de quaqluer aperto! Tenho aproveitado para comprar as frutas e castanhas que estão em temporada aqui 😀 . 🥦liste os grupos de alimentos que você vai precisar Eu preciso de leguminosas, folhas verde escuras, bolacha de arroz integral, frutas da estação, cítricos e leite vegetal. Dessa forma, compro esses elementos semanalmente alternando a variedade: hora feijão branco, hora lentilha, hora morango, hora maçã verde, por exemplo. . 🥦defina o que você está disposto a comer na rua Se eu comesse nas padarias e cafeterias das ruas que passo minha alimentação seria bem pobre em nutrientes: pães e bolos. Mas como eu também posso estar sem lanches comigo, me permito comprar sucos verdes e castanhas torradas. E paellas veganas, claro! . 🥦cozinhe coisas práticas se tiver possibilidade Aos finais de semana, eu faço uma leguminosa (feijão, lentilha e grão de bico) com vegetais pra garantir minhas doses diárias de ferro e proteínas. Coloco na geladeira e sempre esquento para comer no almoço ou na janta. . Claro que sinto falta de arroz e feijão, dos sucos com tudo que eu tinha na geladeira e dos meus bolinhos! Mas estou feliz (e me sentindo bem) com o que dá pra fazer! . Tudo que a gente acredita que é bom pode virar ação no nosso dia-a-dia! 🌿 . E como você faz pra manter uma alimentação natural quando viaja? Conta aí 😊

Uma publicação compartilhada por Lud L. Alves (@bistroveg) em

Se é vegetariano, tem as croquetas e as torilla de patatas para provar.

A recomendação é sempre pesquisar antes de ir porque aqui isso não é comum, então não fiquei à mercê da sorte! Outro dia em uma lanchonete vegana, a dona contou como isso ainda é novo em Madrid: as pessoas que chegam lá para comer ainda não sabem o que é uma comida vegana.

Por fim, gosto de reforçar que, apesar de tudo, difícil é não viver como a gente acredita. 

Venha pra Madrid, passeie bastante, inclusive nas cidadezinhas ao redor, mas pesquise bem onde tem opções que se encaixam em suas necessidades. E leve sempre seus lanchinhos!

Sobre a autora

Ludmila é jornalista, sempre trabalhou com marketing digital e usa sua habilidade com as palavras para falar sobre sustentabilidade, veganismo, finanças e trabalho com sentido de uma forma sincera e praticável no blog Bistroveg.

Gostou da Calle Hispánica e não quer perder nenhuma postagem? Então, siga a Calle no Instagram! 😉

A Espanha pelos olhos da brasileira Karina Wanderley

E vamos falar sobre a Espanha! 🇪🇦

Através do Instagram da Calle, conheci a Karina Wanderley, uma brasileira que anda se aventurando lá na terra do nosso amado Alejandro Sanz 😍.

Karina Wanderley / Crédito da imagem: Ezequiel Quirino

Eu conversei com a Karina para saber mais sobre essas experiência. Confira o resultado desse bate-papo 🙂

Há quanto tempo você está na Espanha?

Já morei aqui com meu filho e marido 2 vezes: em 2006, quando passamos 1 ano e meio em Castelldefels, província de Barcelona e, na segunda vez, em dezembro de 2014, quando fomos morar em Sant Boi de Llobregat, Barcelona, sem intenção de voltar.

Foram dois momentos bem diferentes: O primeiro de difícil adaptação, sem trabalho e a ideia era mais nos aventurar do que qualquer outra coisa. Já o segundo, bem mais tranquilos, com certa estabilidade financeira e com a ideia diferente: Não era mais uma aventura, era a vontade de estabelecer uma nova vida.

Em dezembro de 2017, com a crise política na Catalunya, decidimos sair de Barcelona e nos mudamos para a região da Galícia, na cidade de Vigo, província de Pontevedra.

Você já estudava espanhol? Conta pra gente um pouco da sua história com o idioma.

Não estudava o idioma. Acreditava que pelo fato de estar ali, podia aprender convivendo com os espanhóis.

A verdade é que se aprende praticando, convivendo, ouvindo as musicas, vendo o noticiário da TV, lendo… mas eu convivia mais com minha família. Além do marido e filho, minhas 3 irmãs e os sobrinhos que moram aqui, falando o dia todo o português, ouvia e lia português pela internet… isso não me ajudou muito nessa parte!

Me inscrevi em um curso gratuito na cidade de Viladecans, em Barcelona e fiz dois anos. Foi muito bom e valeu a pena.

Hoje, ainda que tenha que falar o português com a família, procuro interagir com gente daqui, ler, assistir TV local.

Por que você escolheu a Espanha?

Por 4 motivos: Pela minha família que morava aqui, pela segurança (um lugar onde meu filho pudesse ir e vir em paz), pela qualidade de vida e pelo idioma que, por se “parecer” com o nosso, acreditei que pudesse nos facilitar a vida.

Quais aspectos da cultura espanhola você mais gosta? 

Adoro esse país e, como eles dizem, me encanta a riqueza cultural de cada região.

O Flamenco de Andalucía, Los Castellets e La Sardana de Catalunya, os Gaiteiros da Galícia, los San Fermines de Pamplona, la Féria de Málaga, la Feria de Abril de Sevilla, el bocadillo de calamar de Madrid en la Plaza Mayor, as festas locais, a paella. Eu poderia escrever milhões de coisas, pois cada região tem a sua peculiaridade. Há festas diferentes cada mês, como a festa do “vino”, a festa do “Pulpo”, la ruta de tapas. A Espanha é riquíssima culturalmente e as pessoas são muito patriotas.

Você destacaria algo como sendo curioso ou, para nós brasileiros, considerado muito diferente? 

Em Catalunya e em Aragon existe a seguinte tradição natalina: no dia 24/12, uma criança “surra” um pedaço de tronco de madeira, pintado com uma cara de um bonequinho adorável e que leva um gorro vermelho e preto e, ao mesmo tempo, a criança canta uma canção que diz assim (traduzido para o português): “Caga tio, tio de natal, não cague sardinhas que são salgadas, cague torrone que são melhores! Caga tio, Amêndoas e Torrone, se não quiser cagar, vou te dar uma porrada com o pau”.

E o tronco, que está coberto por uma manta vermelha, “caga” presentes para a criança. Essa brincadeira é repetida varias vezes porque os pais compram muitos presentes, algo em torno de uns 10. Para mim é uma curiosidade bem estranha!

As novelas também são forte por aí? 

Não existem novelas, mas séries de TV que estão há muitas temporadas como: Aída, Lo que se Avecina. 

De quais artistas espanhóis você mais gosta? 

David Bisbal, Alejandro Sanz, Henrique Iglesias, Melendi, Fito y Fitipaldi, a atriz Penépole Cruz, o ator Antônio Banderas, os Tenores Josep Carreras, Monserrat Cabalet. O pintor Salvador Dali!

Para os brasileiros que estão planejando conhecer a Espanha, qual ou quais lugares você recomendaria? Por quê? 

Meu Deus, uma infinidade de lugares!! Posso falar da Catalunya onde vivi. Barcelona é uma cidade multicultural, cosmopolita, cheia de história e beleza. Indicaria passeios como a Sagrada Família e todas as outras obras de Gaudí, como “A Pedreira”, “Paque Guell”, “Casa Batlló”. “A Rambla das Flores”, “Mercado da Boqueria”, “Barceloneta”, “Anilla Olímpica”, “Palau de la Música”, “Parque da Ciudadela”, “Monjuic” e claro, conhecer o “Camp Nou”, que é o estádio do Barça! Esses são alguns dos lugares que eu conheci e que eu indicaria, mas a Espanha tem uma infinidade de lugares lindos e incríveis para conhecer.

Curtiu a história da Karina? Pois segura essa dica, então: Ela e as irmãs têm o canal As Kas, no Youtube. Lá, a família compartilha mais dessa experiência de morar fora. Confira! 🙂

Gostou da Calle Hispánica e não quer perder nenhuma postagem? Então, siga a Calle no Instagram! 😉

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén