Calle Hispánica

Um passeio pela cultura em espanhol

Categoria: Leitura

Leitura: Desafio literário à la Calle Hispánica 🙂

Já comentei aqui no blog que, desde o início da Calle, venho tentando ler mais obras produzidas por autores hispânicos. Mas, a grande verdade é que, no vai e vem da vida, esse “tentando” ainda está bem longe do objetivo que é ler 😓.

Prova disso é que, de fevereiro pra cá, foram apenas três livros 😦. Isso mesmo: 7 meses e SÓ 3 livros  (sim, plaquinha da vergonha pra mim 🙈).

¡El desafío! (para mí y para ustedes 😜)

Para resolver esse problema, decidi colocar a Calle Hispánica no famoso desafio literário. Isso aí! Pesquisei os que já estão rolando e selecionei alguns temas para montar o nosso 🙂.

Assim, vamos manter nossa leitura em dia e teremos mais conteúdo literário aqui no blog 💜.

Como já estamos em setembro, o desafio será bem modesto: serão 4 livros, sendo um para cada mês.

Mas esse desafio é à la Calle Hispánica!

Como sabemos que livros em espanhol e de autores hispânicos nem sempre são tão fáceis de encontrar aqui no Brasil, pensei na seguinte proposta, para não fugirmos ao objetivo do blog (que é “coloca mais espanhol na vida que tá pouco!” hahaha 😆): Sendo de autores hispânicos, os livros podem ser em espanhol ou em português e, sendo de autores naturais de outras línguas, pegaremos as obras em espanhol, ¿vale? 

Acho que assim fica mais prático para todxs! 🙂

Vamos aos temas e às respectivas sugestões de leitura:

📍Setembro – Um livro que tenha sido adaptado para a TV; (Pode ser uma história que tenha virado filme, novela, série…)

  • Don Quijote de La Mancha / Dom Quixote, de Miguel de Cervantes
  • La Casa de Los Espiritus / A Casa dos Espíritos, de Isabel Allende
  • Memorias de Mis Putas Tristes / Memória De Minhas Putas Tristes, de Gabriel García Márquez
  • Bodas de Odio, de Caridad Bravo Adams
  • El Diario de Noa (Diário de Uma Paixão), de Nicholas Sparks

📍Outubro – Um livro escrito na década de 1950;

  • La Hojarasca / A Revoada, de Gabriel García Marquez (1955)
  • La Mentira, de Caridas Bravo Adams (1951)
  • Cien Sonetos de Amor / Cem Sonetos de Amor, de Pablo Neruda (1959)
  • Los Versos del Capitán / Os Versos do Capitão, de Pablo Neruda (1952)

📍Novembro – Uma biografia;

Boa oportunidade para lermos a história daquela personalidade hispânica que amamos ou, ainda, para conhecer melhor alguma figura importante desse universo 😉.

  • Por qué este mundo. Una biografia de Clarice Lispector, de Benjamin Moser e Cristina Sánchez-Andrade
  • Aún no estoy muerto: Autobiografía, de Phil Collins
  • Confieso que he Vivido / Confesso que Vivi, de Pablo Neruda
  • El diario de Ana Frank, de Anne Frank

📍Dezembro – Um presente de Natal.

Vi esse tema no blog Eu Astronauta e curti demais! Nada mais justo que, em dezembro, escolhermos um livro para chamar de “nuestro regalo de Navidad” (🎅), né non?! Então, neste mês, aproveite para pegar aquela obra que você sempre quis ler! 💙 ▶ (lembrando que, se o autor é hispânico, então pode ser em português ou em espanhol e, se se o autor é nativo de outro idioma, então vamos focar no espanhol 😉)

Para este mês de setembro, vou postar o livro escolhido lá no instagram da Calle. E quem entrar no desafio e quiser postar também, usem a hashtag #LeituraNaCalle. Assim, podemos encontrar mais sugestões de livro para engordamos nossa lista de leitura hispânica 😍.

Então, bora ler e, de quebra, colocar o espanhol pra jogo! 🤓

Gostou da Calle Hispánica e não quer perder nenhuma postagem? Então, curta a Fan Page no Facebook e siga a Calle no Instagram! 😉

Os Argentinos: 5 motivos pelos quais você deveria ler o livro de Ariel Palacios

Vamos falar sobre Os Argentinos? 🙂 Demorei, mas voltei para falar sobre o livro do jornalista Ariel Palacios. 👓📚

Como alguém que está acostumado (e ama!❤) um drama e um carrossel de emoções, meu primeiro pensamento antes de embarcar na obra foi: Ok, esta será uma leitura linear e estável 🙂. E já adianto que eu estava enganada! rsrs

O livro de Ariel Palácios faz uma abordagem bem bacana a diversos aspectos referentes à Argentina, mostrando ao leitor que a terra e a cultura de nuestros hermanos tem muito mais que futebol, alfajor e Casa Rosada.

Então, aí vão os 5 pontos que me chamaram a atenção:

Conta a história do país – Para começar, a história.

Ariel Palacios abre o livro falando sobre a formação da Argentina que inicialmente apresentava uma mistura de espanhóis, indígenas e africanos. De 1860 em diante, milhões de imigrantes europeus chegaram ao país, fazendo com que o lado criollo perdesse espaço.

As turbulências políticas e monetárias pelas quais a Argentina passou também são pontuadas. Domingo Perón, Evita, ditadura, os presidentes que assumiram após esse período, os dramas econômicos e o calote. Esses capítulos conturbados da história argentina quebram a tal estabilidade que eu, erroneamente, imaginei que a leitura apresentaria. (E que ótimo, né pessoal?! Porque a gente gosta mesmo é de um drama! 😜 rsrs).

Só no quesito “Moeda” já daria assunto para uma novela mexicana inteira!

“Durante quase três anos – de 2001 a 2003, no meio da pior crise financeira, social e econômica da Argentina –, o país teve 14 ‘moedas paralelas’, ou ‘pseudomoedas’, além do próprio peso, a moeda nacional (e, de quebra, o dólar, cujo intenso uso transformou a Argentina no país com maior número de dólares nas mãos da população depois dos EUA e da Rússia…). Isto é, um total de 16 moedas”.

De forma geral, as explicações voltadas para a história do país nos ajudam a compreender melhor o processo de construção da Argentina dentro do contexto global e também como a região adquiriu os ares europeus que vemos pairar por lá.

Explica a diferença entre espanhol e castelhano

Gente, quem nunca se perguntou a diferença entre espanhol e castelhano?🤔 Pois é! E o Ariel Palácios marcou um pontaço ao explicitar, sem rodeios, essa questão já no início do capítulo Que Língua Eles Falam?

“Quem estiver lendo este livro terá visto que em alguns países fala-se o ‘espanhol’ e em outros o ‘castelhano’. São idiomas diferentes? Não. São exatamente a mesma coisa. A nuance é puramente uma decisão sobre como chamar o idioma que surgiu na península ibérica há séculos e dali, por intermédio dos conquistadores enviados para o outro lado do Atlântico, expandiu-se no Novo Mundo”.

O futebol

Claro que o tema “Futebol” não poderia ficar de fora, né?! Os Argentinos conta a história do chamado superclásico argentino: Boca x River. De acordo com Ariel Palacios, o embate é o evento que mais concentra a atenção do jornalismo esportivo local e da torcida.

E é nessa parte do livro em que o jornalista aborda sobre o mítico Brasil x Argentina (🇧🇷 X 🇦🇷).

Sobre o tango

Todo mundo se rende aos encantos de um bom tango, não é mesmo?! Mas a verdade é que pouca gente conhece as origens desse ritmo. Eu, por exemplo, confesso que não conhecia.

E se você também não conhecia, posso te adiantar que o tango tem origem na comunidade negra portenha.

“O tango surgiu por volta de 1877, no bairro de Montserrat, situado entre a Casa Rosada e o atual Congresso Nacional. Na época, ali residiam os descendentes dos escravos negros que haviam sido libertos em 1813”.

Daí em diante, o autor reconstrói a história do ritmo, contando, por exemplo, como o tango tornou-se popular na Europa antes mesmo de ser reconhecido na Argentina.

A Verdadeira Rivalidade Argentina (que não é o Brasil)

Esse capítulo, na minha opinião, foi o mais revelador e interessante! Afinal, quando se fala em Argentina, (nós, brasileiros) pensamos logo na tal rivalidade, sempre tão comentada. Como eu disse, nós brasileiros. Mas e os argentinos? Será que eles também sentem essa mesma rivalidade?

Então… não vou contar “quem”, segundo o Palacios, seria o verdadeiro rival argentino. Mas, posso lhes adiantar o seguinte trecho do livro: Em termos futebolísticos, “apenas por duas décadas, dos anos 1960 até 1980, o Brasil ocupou posto de rival principal”. Ou seja, meus amigxs, hay alguien más en esta historia 😜 #FicaADica!

Dito tudo isso, a leitura de Os Argentinos vale bastante! Para quem curte história, para quem é apaixonado pelo país do Messi, para quem é amante da cultura e para quem sempre está no rastro da língua espanhola.  E por falar em espanhol, o livro também traz algumas expressões e gírias tipicamente argentinas, o que pode ser bastante interessante para quem planeja viajar pra lá 🙂.

Gostou da Calle Hispánica? Então curta a Fan Page no Facebook e não perca nenhuma postagem! 😉

Leitura: Dica para quem quer ler mais livros em espanhol

Ler livros em espanhol é uma das formas infalíveis para melhorar o idioma. No entanto, eu sempre tive dificuldade para encontrar essas obras à venda aqui no Brasil. E quando encontrava alguma numa livraria, geralmente ela estava a um preço quase obsceno.

(Quem  nunca sofreu a dor de se apaixonar por um livro pelo qual não podia pagar? 📚😭)

E durante muito tempo foi essa sofrência na minha vida (😒).

Até que duas amigas me apresentaram aquele que viria a ser mi mejor amigo 🙂💜Estou falando do Kindle!

Obs.: Este post não é um publi, ok? (inclusive, a fatura do meu cartão comprova isso 😂). Sei que há outros E-readers no mercado, mas falo do Kindle por ser o dispositivo que tenho 🙂

Antes de conhecer o Kindle e descobrir suas funcionalidades, eu achava que esse era mais uma espécie de computador num formato compacto. E não é que eu estava totalmente enganada!? O Kindle, na verdade, simula perfeitamente uma página de livro. Sem aquela luz que cansa nossos olhos, sem dor de cabeça, super levinho, com capacidade de armazenar um mundo de livros e com uma bateria que chega a durar meses! (Sim, eu disse meses, pessoal! 😮 Especialmente se você ativar o modo avião #FicaAdica 😉).

E depois que adquiri essa belezura, pude, finalmente, dar mais atenção à leitura em espanhol. Isso porque é muito mais fácil encontrar, disponível na internet, a versão digital das obras. Um exemplo disso é o livro La Mujer Habitada, da nicaraguense Gioconda Belli. Consegui ter acesso a essa obra incrível graças a mi mejor amigo 🙂

Além de livros, o Kindle também permite que você envie da internet páginas de sites e artigos. Ou seja: sabe aquela reportagem do El País que você achou super interessante, mas não tem paciência para lê-la por completo na tela do computador? É só enviar para o Kindle e você poderá ler aquele conteúdo com mais conforto.

Então, essa é a dica de hoje! Se você ama ler, mas sente falta de ler en español pela dificuldade de encontrar livros físicos nesse idioma, o Kindle pode ser uma ótima ferramenta! É pesquisar, adquirir e ler! Simples assim ❤

E às amigas que me apresentaram a essa belezura (Paulinha e Polly): vocês brilham, muchachas 💛

Confira também: Resenha: A Mulher Habitada, de Gioconda Belli 

Gostou do Calle Hispánica? Então, curta a Fan Page no Facebook e não perca nenhuma postagem! 😉

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén