Calle Hispánica

Um passeio pela cultura em espanhol

Tag: Dicas de Viagem

México após 3 terremotos: Por que não adiei a viagem?

Minha viagem ao México já era algo definido, desde que o espanhol entrou na minha vida. Comecei a planejá-la um ano antes, com todo carinho, cuidado e empenho ❤.

Quem acompanha as postagens aqui na Calle, sabe o quanto eu sou APAIXONADA por esse país e por essa cultura.

Em setembro deste ano, minha amiga (que também AMA o México) e eu já tínhamos praticamente tudo planejado e pronto.

Estava correndo tudo bem até que… 😢

Pois é… TRÊS terremotos no país e dentro de um curtíssimo espaço de tempo. Sim, após o segundo e mais forte tremor, que aconteceu no dia 19/09, nós cogitamos adiar a viagem para 2018. Além da nossa tristeza pelo povo mexicano, também estávamos preocupadas com a situação do país.

E por que não adiei?

Tanto minha amiga Ana quanto eu sonhávamos com essa viagem já há algum tempo e nos planejamos da melhor forma possível para irmos a todos os lugares que queríamos conhecer.

Pensamos muito até decidirmos que, como ainda estávamos a um mês da data do embarque, o melhor seria aguardar e acompanhar a situação.

Gente, todos os dias pela manhã, a PRIMEIRA coisa que fazia antes de tudo era jogar a palavra “México” no Google para ver quais eram as últimas notícias. E, numa dessas, soube que mais um terremoto havia acontecido 😭.

Minha amiga e eu nos mantivemos firmes na decisão de aguardar um pouco mais, já que embarcaríamos só no dia 13. E assim fizemos. Aguardamos, observamos e fomos driblando nossa preocupação e ansiedade.

Já em outubro, graças ao bom Deus, a situação estava mais calma e as coisas pareciam caminhar bem outra vez. O México estava de pé e a viagem também!

Foram 15 dias muito bem aproveitados na terra da Maria do Bairro. Sim, vimos alguns rastros dos tremores (especialmente para os lados de Coyoacán) e precisamos fazer algumas adaptações ao nosso roteiro. Alguns prédios desalojados devido ao risco de desabamento, lojas que, de hecho, vieram abaixo e algumas rachaduras e desnivelamentos no solo.

O passeio pelos bairros Roma e Condesa foram suspensos, seguindo a orientação do Clemente, um taxista muchísima buena onda, que nos levou a Xochimilco. De acordo com o Clemente, aquela região havia sido a mais atingida pelo terremoto do dia 19/09 e o clima por lá era de bastante tristeza.

Mas a região do Zócalo, que fica bem no centrão do DF, estava em perfeito estado. O transporte público (que, sem dúvidas, terá um post a parte aqui!), os museus, pontos turísticos, shoppings, tudo em pleno funcionamento 🙂.

Então, meus amigxs, se vocês também estão planejando conhecer esse país hermoso, cola aqui com a Calle porque nas próximas postagens, vou contar tudinho dessa viagem linda e cheia de cores pra vocês 😉.

Gostou da Calle Hispánica e não quer perder nenhuma postagem? Então, curta a Fan Page no Facebook e siga a Calle no Instagram! 😉

Colômbia: Confira as dicas da Pollyana Teixeira

Tá pensando em visitar a Colômbia? Então segura aí as dicas da Pollyana Teixeira, que esteve lá na terra da Shakira em setembro de 2016!

“A Colômbia foi uma grata surpresa para mim! Caribenha, mas também cosmopolita, é um destino capaz de agradar qualquer viajante. A minha visita começou por Cartagena, uma cidade ensolarada e quente, muito quente; repleta de cores, sabores – das frutas tropicais ao café delicioso, salsa, pessoas alegres e receptivas, e banhada pelo mar do Caribe, azul e paradisíaco. Algumas dicas tem-que-fazer pra você que vai: tome a ‘limonada de coco’ (melhor bebida!), não deixe de visitar uma das ‘Islas del Rosario’ e almoçar no ‘La Mulata’, que serve comida caribenha maravilhosa e muito barata.

Pollyana em Las Bóvedas, Cartagena

De Cartagena, fui conhecer a capital, Bogotá, uma cidade surpreendente! Enorme, super movimentada, repleta de pessoas e possibilidades, como toda boa cidade cosmopolita. Ao contrário de muitas, porém, Bogotá preserva e exalta sua história em todas as suas esquinas, de forma que toda caminhada pela cidade é uma aula, e um prato cheio para os amantes da cultura que se faz viva para as pessoas, não apenas expostas nos museus. No entanto, não deixe de visitá-los, claro; Bogotá tem alguns dos melhores que já conheci, com destaque para o Museu Nacional e o do Ouro.

Outras boas dicas são passear pelo bairro La Candelaria, subir o Serro Monserrate – e ver a cidade a mais de 2 mil metros de altitude -, e alugar uma bike para conhecer a cidade sobre duas rodas (todo mundo anda de bicicleta em Bogotá!). Ah, à noite, não deixe ja-mais de ir ao Andrés D.C, uma balada mucho lôca (e impossível de descrever mais). Você vai abrir a carteira, porque o lugar é caaaro, mas sairá de lá com a certeza de que não poderia ter deixado de ir. No mais, leve todos os seus casacos, luvas e cachecóis, porque em Bogotá ‘hace mucho, MUCHO frío’!

P.S. Pela quantidade de caracteres, vocês podem pensar que eu preferi Bogotá à Cartagena. Sim, estão certos! ;)”.

Por Pollyana Teixeira

Também já foi a algum país hispânico? Então compartilha com a gente essa experiência, enviando uma foto com um depoimento para fernanda05rs@gmail.com

Ah! Não se esqueça de informar seu nome, o crédito da imagem e onde ela foi feita.

Gostou da Calle Hispánica? Então, curta a Fan Page no Facebook e não perca nenhuma postagem!

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén