Comentei numa postagem lá no Instagram da Calle que gosto muito do Espanhol da Anitta.

Algumas pessoas concordaram e outras discordaram, cada uma usando diferentes argumentos.

Aproveitando o calor dos debates, pesquei esse gancho para falar sobre o ‘tal espanhol’ perfeito que paira em nosso imaginário.

De qual ponto de vista estamos analisando?

Particularmente, considero que há uma linha tênue entre as limitações naturais que encontramos ao aprender um novo idioma (no caso do inglês, por exemplo, não me peçam pra falar ‘menina’ e ‘mundo’ 🙊) e o desleixo com esse idioma.

Desleixo esse que, muitas vezes, vem daquela velha lenga lenga de “espanhol é igualzinho ao português.

Por esse caminho, a gente escuta coisas como ‘coraZÓn’ (com o som da nossa letra z) e Éu País (com o som do ‘E’ bem aberto e com o som do ‘L’ igual ao som da nossa letra ‘U’).

Aprender um idioma novo é uma construção

Quando um artista brasileiro se dispõe a cantar em espanhol, espera-se que ele cante TÃO bem (mas TÃO bem!), que até os gringos acreditem que ele seja nativo do espanhol. E eu fico me pergunto se existe essa mesma exigência quando é o inglês que está em jogo? 🤔

Enfim! Sabemos que esse processo de aprendizagem não se dá de um dia para outro, pois aprender um idioma novo é uma construção.

Trata-se de adquirir vocabulário, treinar as formas de pronúncia, assimilar estruturas novas e costurar sentidos a partir de uma base, até então desconhecida.

Para além disso tudo, ainda é preciso ensinar o cérebro a se sentir seguro por esse novo caminho.

Especialmente no caso da Anitta, não sinto esse desleixo. Inclusive, ela vem sendo elogiada pela imprensa hispânica por conta da desenvoltura na hora de hablar.

Ainda que existam questões a serem trabalhadas, acredito que, com o tempo e com o fortalecimento da sua inserção no mercado hispânico, essas questões serão superadas.

Por que negar as aparências e disfarçar as evidências?

Por melhor que falemos, por mais desenvolta que seja a nossa expressão oral num segundo idioma, a brasilidade da nossa língua portuguesa estará pairando em nosso modo de hablar.

Afinal de contas, né?! Somos o quê? Brasileiros! 🇧🇷

Eu sou carioca da gema e moro em BH há dois anos. No ínicio, sentia muita (MUITA!) vergonha de sair por aí falando meu “s” com som de “x” rsrs (e eu falo carioquexxx pa caraca! 😁) Vocês não tem noção do choque que dá, falar “mexxxxxxxxmo” no meio de tantos falando “meSmo”! Mas, com o tempo, eu entendi que esse bendito “X” é quem eu sou, é a minha cultura e a minha hixxxtória. E isso acabou me ajudando também no espanhol! Sabe aquela busca por uma pronúncia nível nativo? Balela, meu povo! Porque falar um espanhol maravilhoso é bom sim, mas melhor ainda é não precisar exxconder sua hixxxtória 😉 ➡ Obs.: Meu “S” só aparece como “S” quando falo Esssssspanhol! No Portuguêxxx ele é puro “X” mexxxxxxxxmo! 😜 #BeijoxxxHixxxpanicoxxx . . . . . #CalleHispánica #Espanhol #Sotaques #NossaMarca

A post shared by Por Fernanda Rosa (@callehispanica) on

E, indo mais longe nessa análise, acredito que ainda vale considerarmos o seguinte: A Anitta, uma das artistas de maior destaque no atual cenário da música nacional (não adianta negar!☝), vem nos reconectando à cultura latina que a gente, vira e mexe, esquece que é nossa também (sim, somos latinos!💪).

➡ Somos insistência, somos resistência, SOMOS latinos!

Por isso tudo, eu deixo essa sementinha da reflexão para tod@s nós:

Será justo colocar na mesma balança diferentes questões como: “falar um idioma negligenciando de forma consciente suas bases e regras” X “estar em processo de aprendizagem de uma língua”? 🤔

Y Además… te dejo una entrevista en la que Anitta habla sobre cómo empezó a aprender español 🙂

Gostou da Calle Hispánica e não quer perder nenhuma postagem? Então, siga a Calle no Instagram! 😉