Dando check-in no primeiro mês de desafio literário, concluí a leitura de Bodas de Odio, escrito em 196, pela escritora mexicana Caridad Bravo Adams ✅.

Lembrando que para esse mês de setembro, o tema foi “Um livro que tenha sido adaptado para a TV” 📺.

Bodas de Odio virou novela nada menos que TRÊS vezes. A primeira em 1983, adotando o mesmo nome do livro, depois em 2003, com Amor Real, e mais recente, em 2013, com Lo que la Vida me Robó.

Mas, vamos ao livro! 🤓📚

Enredo

A história se passa no final do século XIX, nos tempos da Rússia czarista.

Lisaveta Kerloff é uma jovem aristocrata, porém de família falida 👎💸. Apaixonada (e correspondida) pelo tenente Fedor Mikailovich, ela tenta conseguir do pai, o coronel Ivan Petrovich Kerloff, permissão para se casar com o amado.

E se dependesse só do pai, Lisa tava bem na história. Mas, o problema é que no meio do romance tinha uma mãe ambiciosa, uma mãe ambiciosa tinha no meio do romance. E essa é Paula Petrovna.

A megera (ela é uma megera, gente! rs), percebendo as intenções de Lisa para com o humilde tenente, consegue, com ajuda do filho mais velho, Dimitri, tecer uma teia de intrigas e conspirações para separar a filha e o jovem. E tudo isso porque Paula já tinha em vista, aquele que, de acordo com ela, seria la pereja ideal para su hija.

Alejandro Kareline: Solteiro, milionário e príncipe. Esse era o cara! E para sorte de Paula, ele se apaixona por Lisa já no primeiro encontro e, acreditando nas mentiras da megera, acredita ter chances com a jovem.

Para complicar o enredo, o pai de Lisa fica muito doente e sua mãe passa a utilizar o estudo de saúde do coronel para coagir a filha a aceitar se casar com o príncipe e garantir a boa reputação da família Kerloff.

—En efecto, es espantoso que los hijos no comprendan a veces cuál es su deber, Lisaveta! Él, muriéndose por ti, pensando en que quedarás arruinada, con el nombre manchado y que no habrá hombre que se acerque a ti… y tú, en cambio, no puedes darle ni el gusto de ser amable con Kareline. Tengo entendido que Iván te ha pedido más de una vez que seas gentil y cortés con él.

—Así lo haré, mamá —prometió con vehemencia la joven”.

Lisa se sentia muito incomodada com as gentilezas de Alejandro, afinal, ela amava Fedor. No entanto, as esperanças da jovem com relação ao amado se desvaneciam pouco a pouco.

Em meio a tantas intrigas e estratagemas, a verdade é que Fedor marca bobeira e, graças às armações de Paula e Dimitri, acaba perdendo terreno na vida de Lisaveta.

Resumindo, gente: A megera tanto faz que consegue enganar a filha e o príncipe, com o objetivo de casá-los, salvar a família Kerloff da ruína e, de quebra, garantir a sua boa vida. E como ela faz isso? “Prestenção”: Ela convence a filha de que Alejandro sabe toda a verdade sobre seus sentimentos, mas, ainda assim, deseja se casar com uma jovem da aristocracia apenas para melhorar sua reputação enquanto príncipe.

Por outro lado, Paula convence a Alejandro de que Lisa sim o ama, mas é uma jovem caprichosa, que ainda não sabe lidar com os sentimentos e expressá-los da forma adequada. (Falei pra vocês que ela era uma megera 😝 rsrs)

E casar, eles casam. Maaaaas, no dia de la fieta de matrimonio, todas as mentiras são descobertas, Alejandro descobre a existência de Fedor, Lisa fica sabendo que o príncipe estava crente que ela o amava… enfim. Foi babado, confusão e gritaria!

E a partir daí, a história começa uma nova etapa. Lisa odiando (ou achando que odiava) o marido. Alejandro querendo odiar (mas, na verdade, muitíssimo apaixonado) por lisa. ¡Ese es el drama que me gusta! Jejeje

Nessa fase, Paula Petrovna sai de cena, mas nem por isso a vida de Lisa fica mais tranquila e favorável. Isso porque chega Natacha Maslova, com sua paixão platônica por Alejandro. E aí temos mais intrigas, mais armações e mais tretas até os capítulos finais.

Vale a leitura? 🤔

Como boa amante de telenovelas mexicanas, sou suspeita para falar. Mas, aí vai meu parecer: Vale! 🙂

Caridad Bravo Adams é uma verdadeira mestra dos argumentos bem costurados e o resultado desse talento é que ficamos presos, atados e amarrados à história ATÉ-O-FIM. Especificamente no caso de Bodas de Odio, a história toma caminhos bem inesperados, dando aqueles sustinhos na gente durante o percurso da leitura (😮😰😧). E isso é ótimo porque deixa a narrativa mais viva e dinâmica.

No entanto, sem sobra de dúvida, o ponto forte da obra é a intensidade. A boa e velha intensidade mexicana que eu simplesmente AMO! ❤

Emoções à flor da pele e sentimentos bem definidos. Trata-se de um romance sim, mas não um romance água com açúcar e cor de rosa. Eu diria que é um romance sacudido e cheio de reviravoltas!

“— Lo que tengo que reprocharte es que no hayas sido franca… ¿Qué necesitabas para salvar a tu padre? ¿Un puñado de rublos? ¡Los hubiera dado con placer, sin necesidad de engaños y farsas!

– ¡Yo no los hubiera aceptado como una limosna! —replicó ella, desafiante también.

Corrió, escaleras arriba. Alex quedó inmóvil, con los puños apretados. Su ira se disolvió en dolor y pensó con angustia:

– ¡Odio, sólo odio puede haber entre nosotros dos!”

Então, meus amigxs, para quem curte esse estilo de narrativa regada à emoção, fica a dica! Caridad Bravo Adams é A MESTRA! rsrsrs

➡ Leitura: Desafio literário à la Calle Hispánica

Gostou da Calle Hispánica e não quer perder nenhuma postagem? Então, curta a Fan Page no Facebook e siga a Calle no Instagram! 😉