Calle Hispánica

Um passeio pela cultura em espanhol

Tag: Viagem

Guia Calle Hispánica: Viajando pela Viva Aerobus

Quem acompanha as postagens aqui do blog já sabe que nosso roteiro de viagem de outubro de 2017 foi Cidade do México – Mérida. E, no momento de montar esse roteiro, pesquisei qual seria a melhor forma de chegar a Mérida (localizada na península de Yucatán, lá ponta do mapa!), partindo da Cidade de México (já que os dois lugares ficam relativamente distantes um do outro).

Essa viagem seria possível de ônibus e a empresa ADO conta com ótimas referências entre os usuários. No entanto, esse trajeto dura, em média, 20 horas! 😓

Nós já estávamos quase desistindo desse roteiro dos sonhos, quando, uma amiga (abençoada! 💛) me enviou o link de um post falando sobre a Viva Aerobus, a companhia aérea do México considerada low cost.

Obs.: De avião, a viagem entre o DF e Mérida levaria, em média, duas horas! 😮

No final das contas, optamos pela Viva Aerobus, a viagem aconteceu e o roteiro foi cumprido ao pé da letra! ❤ Porém, acho importante compartilhar alguns pontos de atenção e dicas com relação a essa companhia aérea.

1 – nome na reserva

Pessoal, é MUITO importante estar atento e se certificar de que o nome que aparecerá lá na reserva seja exatamente igual ao nome que aparece no seu passaporte. Parece besteira isso, não?! Pois eu quase paguei 1000 pesos de multa porque na minha reserva faltava o “da” de Fernanda Rosa “da” Silva 😵. Exatamente! 😰

No momento de comprar a passagem, eu coloquei meu nome completinho, mas o sistema misteriosa e inocentemente (ATA! 😐) suprimiu essa partícula do meu nome.

Posso dizer que essa sim foi uma prova de fogo para o meu espanhol! Precisei manter a calma para explicar com toda a segurança do mundo à atendente que eu havia colocado o nome completo. Por fim, posso dizer que a mexicana que mora em mim veio à tona e eu já estava rogandole por la Virgen de Guadalupe que no me hiciera pagar más por um error que no era mio, sino del  “sistema” 😭.

A atendente fue super buena onda conmigo e corrigiu tudo sem que eu precisasse desembolsar a grana. No entanto, ela reforçou umas três vezes que era fundamental sempre checar MUITO BEM se o que apareceia na reserva estava correto.

2 – o peso da bagagem

Se você, assim como eu, tiver o desejo de comprar muitas coisas, como roupas, artesanatos, lembrancinhas, livros etc, então avalie bem o peso da bagagem mais adequado a comprar.

Nós subestimamos nossa ânsia consumista e compramos as passagens com bagagem adicional de 15 kilos. Adivinhem: Na ida para Mérida, nossas malas já estavam com quase 20 kilos. Sim! Hahaha 😅 (Tô rindo agora, mas lá na hora, o coração apertou! 😥)

Resultado: tivemos que pagar por esse excesso lá no aeroporto. Claro que isso saiu mais caro do que se tivéssemos comprado a bagagem adicional de até 23 kg, né!? 😑

Bom, lá na hora de despachar a bagagem, a atendente nos orientou a entrar em contato pelo Serviço de Atendimento ao Consumidor e solicitar esse aumento para que não pagássemos tão caro no retorno de Mérida para o DF. E assim fizemos 🙂.

3 – Tenha um cartão de crédito internacional

A Viva Aerobus não aceita dinheiro em espécie. Então, se você precisar fazer qualquer tipo de pagamento, seja por excesso de bagagem (como eu 😏) ou para fazer um upgrade na sua passagem, você precisará fazer esse pagamento no cartão de crédito 💳.

4 – o tempo de espera (atrasos)

Tanto na ida quanto na volta tivemos problemas com atrasos. E na volta, foi “O atraso”! Tanto que a empresa nos deu um vaucher de alimentação no incrível valor de… 100 pesos!. Obs.: O sanduíche mais barato à venda no aeroporto custava 170 pesos 😒.

Então, fique atento a isso. Não faça um roteiro muito justo e conte com a possibilidade de atrasos para que sua programação não seja prejudicada. Além disso, separe uma graninha extra, para o caso de você precisar complementar sua alimentação.

 

5 – A fila do cheking é a maior!

Pelo amor do que você acredita, chegue ao aeroporto com um ÓTIMO tempo de antecedência (eu disse ótimo, ok?!).

Confia em mim! Por oferecer os melhores preços, a fila para cheking da viva Aerobus são as maiores! Então, prepare o lanchinho, separe um livro bem legal, coloque uma roupa bem confortável e chegue BEM antes ao aeroporto.

A boa notícia é que, ao menos no aeroporto de Mérida, a wifi funcioana maravilhosamente bem 💜! Para que vocês tenham uma ideia, eu assisti aos primeiros capítulos de Papá a Toda Madre mientras esperaba por mi vuelo! (noveleira, né meu povo?! 😅)

Resumindo: Eu voltaria a voar pela Viva Aerobus? Eu diria que depende! No caso de distâncias mais curtas, eu optaria pelo ônibus e, no caso de longas distâncias, como foi Ciudad de México e Mérida, eu pesquisaria outras opções e avaliaria bem.

Mas, no caso de optar pela Viva Aerobus, o faria com dois pés atrás e teria em mente todas essas cinco questões destacadas aqui, para evitar qualquer tipo de desgaste.

Bom, espero ter ajudado! E, se você já viajou dentro do México utilizando outras companhias aéreas, compartilha com a gente como foi sua experiência! 🙂

Abrazos hispánicos 💜

➡ Confira ainda: Guia Calle Hispánica: Roteiro de 3 dias em Mérida (México)

Gostou da Calle Hispánica e não quer perder nenhuma postagem? Então, siga a Calle no Instagram! 😉

Guia Calle Hispánica: Roteiro de 5 dias na Cidade do México

Dadas as dicas iniciais sobre quanto tempo ficar e onde se hospedar, agora vamos ao roteiro recheado de dicas importantes, porque é isso que a gente quer! 😜

Primeiro Dia

A Plaza de la Constituición ou Zócalo é o centro histórico da Cidade do México. E, sem dúvidas, é um ótimo começo para o roteiro 👣.

Lembra que no post sobre onde se hospedar no DF, eu disse que o Centro era a melhor opção?! Então! Além de museus e construções históricas que estão nos arredores do Zócalo, as mais variadas manifestações culturais que acontecem por lá tornam o local uma atração e tanto. Por isso, pode-se considerar um dia inteiro só para conhecer essa região. E, se você estiver hospedado por perto, já economiza tempo e dinheiro 😉.

➡ Obs.1: Você pode até pensar que é um exagero deixar um dia inteiro, mas vai por mim, não é! rs Inclusive, se sobrar um tempinho no seu roteiro, é lá que você vai querer voltar 😜.

➡ Obs.2: É nesse centrão onde estão aquelas letrinhas lindas e coloridas, onde todo turista curte tirar foto 😎 rs. Mas, tome cuidado, porque eles colocaram esse letreiro bem em frente a uma pista movimentada. Então, é preciso disputar a vez com outros turistas e também aguardar o sinal fechar para os carros 🚦😒.

Ciudad de México / Calle Hispánica

Palácio Nacional

Palácio Nacional / Crédito: Fernanda Rosa

O Palácio Nacional é considerado o edifício mais importante do país. Além de ser o local utilizado pelo presidente para receber representantes de outros países, o espaço também conta com obras de arte e outros elementos relevantes para cultura mexicana.

➡ Obs.3: Recomendo começar, de cara, pelo Palácio Nacional por uma razão bem simples:  O lugar conta com alguns dos painéis de Don Dieguito Rivera. Um desses painéis, o principal, simplesmente resume TODA A HISTÓRIA DO MÉXICO 💚.

Painel Diego Rivera, Palácio Nacional

Então, se você já começar a viagem tendo uma visão geral sobre a formação do país, sem dúvidas vai aproveitar muito mais tudo que virá na sequência 🙂.

A visitação ao Palácio é gratuita, mas vale destacar o seguinte: Para entrar, é preciso apresentar um documento de identificação original com foto. E não adianta levar a cópia do passaporte, porque não aceitam, tá?! Eles recolhem o documento apresentado e a gente só pega de volta na saída.

Eles oferecem, ainda, a visita guiada (também 0800, do jeito que a gente gosta! ❤rs). Se você quiser dar uma propinita ao guia, aí fica ao seu critério.

➡ Obs. 4: Os guias são SEMPRE muito gentis e atenciosos. Então, eu duvido que você não dê uns pesitos 😄 rs.

➡ Obs.5: Dentro do Palácio Nacional há uma Livraria, com muitas obras sobre a história do México e também sobre personagens que foram importantes para a formação do país. Se você curte esse tipo de livro, aviso que essa livraria tem os MELHORES preços! 💙#FicaADica 😉.

Catedral Metropolitana 

Catedral Metropolitana de la Ciudad de México / Crédito: Fernanda Rosa

A Catedral Metropolitana de La Asuncíon de María, além de ser a mais importante do país, também é aquela que SEMPRE aparece nas novelas mexicanas  📺 rs.

Bastante imponente, a Catedral, construída sobre as ruínas do Templo Mayor Azteca (por ordem do espanhol Hernán Cortés) é considerada,  por sua arquitetura, Patrimônio Cultural da Humanidade, desde 1987.

Só não é permitido fotografar em horário de missa. Por isso, vale uma visita num horário alternativo, para fazer alguns registros 📸.

Museu del Templo Mayor

Neste Museu é onde podemos encontrar ruínas (parte delas a céu aberto) dos templos e palácios astecas de Tenotchitlan, a antiga capital.

A entrada custa 70 pesos.

Torre Latinoamericana

Pelo amor do que você acredita, não vá embora do México sem viver essa experiência INCRÍVEL  de ver todo DF do alto 😍.  E quando eu digo “alto” é ALTO mesmo! rs

Torre Latinoamericana / Crédito: Fernanda Rosa

A torre foi inaugurada em 30 de abril de 1956 e resistiu bravamente aos terremotos. Atualmente, é o edifício mais alto da cidade, com 44 andares.

A entrada custa 100 pesos, mas caso você queira ter acesso ao Museu Bicentenário, aí será preciso desembolsar mais 20 pesos. Eles dão uma pulseira para o mirante e outra para o Museu, e permitem que, naquele dia, você saia do prédio e retorne quantas vezes quiser.

Pulseiras de acesso ao Mirante e ao Museu Bicentenário

➡ Obs.6: Prepare-se para deixar mais alguns pesos mexicanos na lojinha que fica estrategicamente no caminho até o 44° andar da Torre 😜.

Recuerdos  😍

Palácio de Bellas Artes

Saindo da Torre Latinoamericana e atravessando a rua, já damos de cara com o Palácio de Bellas Artes (que também é uma figurinha carimbada nas cenas de telenovelas 🙂).

Palácio Belas Artes / Crédito Fernanda Rosa

Belíssimo! 💛 Não há outra palavra que possa definir com exatidão esse palácio, que é de encher os olhos. Lá é possível encontrar algumas exposições (vale conferir a programação no site oficial) e mais alguns painéis de Don Dieguito Rivera.

Mercado de Artesanías de la Ciudadela

Se você ainda tiver energia, vale dar uma caminhada até o Mercado de Artesanías de la Ciudadela. Lá é O LUGAR para comprar lembrancinhas e artesanatos BEM mexicanos 😍.

Artesanías

Segundo Dia 

Museu da Frida 

Chegar ao museu da Frida usando o metrô é bem fácil! Pegamos as coordenadas no Centro de Atendimento ao Turista, que fica no Zócalo, e partimos rumo à nossa primeira viagem de metrô mexicano.

Como era domingo, estava vazio e foi tranquilo. Descemos na estação Coyoacán e lá pegamos um taxi até a residência azul da Diva mexicana 💙. Pagamos 40 pesos pelo trajeto.

Chegando lá…

Museu Frida Kahlo, num dia de “movimento fraco”

Sim, essa fila é, de acordo com o motorista de táxi, a fila de um dia de movimento fraco 😮. Nós não precisamos encará-la porque compramos o “combo”, oferecido pelo próprio museu. Esse combo custa 150 pesos e é formado por 1 ingresso para a casa azul, 1 ingresso para o Museu Diego Rivera e o transporte (ida e volta, de Fridabus) de um museu a outro.

Fridabus

Ah! Se quiser tirar foto, é preciso pagar 30 pesos pela autorização. Eles entregam um adesivo vermelho pra gente colar em local visível da nossa vestimenta e, acreditem: cada segurança, com o seu radinho, faz um controle rigoroso, checando se quem está fotografando, tem o tal adesivo vermelho 😕.

Ingresso para os museus Frida e Diego + autorização para tirar fotos

Museu Anahuacalli (Museu Diego Rivera) 

O espaço, popularmente conhecido como Museu Diego Rivera, além de ser uma construção incrível, abriga mais de 50 mil peças pre-hispânicas, colecionadas pelo próprio Don Dieguito ao longo de sua vida.

Xochimilco 

De volta ao Museu da Frida, o ideal é aproveitar o fato de já estar em Coyoacán e ir até Xochimilco, aquele laguinho LINDO de viver, cheio de traineiras coloridas 😍.

O lugar não fica tão próximo ao museu e, como já era por volta das 15h, pegamos um táxi para ir até lá. Conseguimos fechar com o motorista o preço fixo de 600 pesos, para que ele nos levasse até Xochimilco, nos esperasse lá (o tempo que nós quiséssemos ficar) e nos trouxesse de volta até o lugar onde estávamos hospedadas, no Centro.

E esse foi, sem dúvidas, um dos lugares que mais AMEI! O custo do passeio de traineira varia de acordo com a duração do passeio. Nós pagamos 500 pesos (esse valor é dividido pelo número de passageiros a bordo) por uma hora.

Durante o trajeto, é um desfile sem fim de música, cores, comidas típicas e artesanato. Muitas famílias mexicanas pagam até mais que duas horas de passeio, levam sua própria comida, seu radinho, e passam a toda a tarde lanchando e jogando conversa fora. Resumindo: O lugar é um encanto que só! ❤

➡ Obs.7: Lá mesmo em Xochimilco tem um feirinha, onde é possível encontrar artesanatos e roupas. E já adianto que os preços lá são, em geral, mais em conta que no Mercado de Artesanía. #FicaADica 😉

Terceiro Dia 

O Sítio Arqueológico de Teotihuacán está um pouco afastado do centro, mas também é um dos lugares que não podem faltar de jeito nenhum no nosso roteiro.

Nós optamos por pagar um tour (500 pesos por pessoa) que incluía Plaza de las 3 culturas (ali no Centro mesmo), Pirâmides e Basílica.

Sim, tours compartilhados costumam ter a desvantagem de oferecer um tempo mais curto. Mas, minha amiga e eu não nos arrependemos da escolha! O Hugo, guia que acompanhou nosso grupo durante todo o dia é, sem dúvida, o mais divertido de todxs! 😄

Antes de chegar às Pirâmides, ainda fizemos uma degustação das três bebidas mais populares no México: a tequila, o mezcal e o pulque.

Degustação de tequila, mezcal e pulque

➡ Obs. 8: O dia mais indicado para ir até Teotihuacán é numa segunda feira (anota isso aí porque é importante! 😉). Isso porque às segundas, nenhum museu da cidade está aberto. Então, a programação “zona arqueológica” + “Basílica de Guadalupe” é a melhor opção!

➡ Obs. 9: Pelo amor do que você acredita, confie no que eu vou dizer: Se você for por conta própria, vá às ruínas na parte da manhã. Sério! O lugar é incrível, com uma energia MARA, mas se liga: são duzentos e tantos degraus só na Pirâmide do Sol, e ainda tem a da Lua! 😥. (E eu não vi nenhuma unidade de atendimento por lá 😶).

Então, aproveita para ir na parte da manhã, que o sol estará mais tranquilo.

➡ Obs.10: Leve apenas o indispensável na bolsa e não esqueça o protetor solar e a garrafinha de água, pois a subida é bem íngreme.

Pirâmide do Sol – Subindo!

➡ Obs.11: Ao longo de toda a zona arqueológica há vários vendedores ambulantes e eles são um pouco insistentes. Oferecem desde artesanatos mais simples, de madeira, até jóias e toalhas com bordados incríveis feitos a mão. A orientação que o guia nos passou antes de chegarmos ao local foi a seguinte: Cuidado para não comprar gato por lebre. Isso porque nem sempre é possível assegurar que a “prata” oferecida pelos vendedores é, de fato, prata. Então, fique atento você também 👀.

Basílica de Guadalupe

A Basílica não está tão pertinho da Zona Arqueológica, mas os dois lugares ficam no mesmo lado da cidade. Por isso, vale muito fazer esses dois passeios no mesmo dia.

Sou mega suspeita para falar sobre a experiência de ir à Basílica, mas, posso dizer que é, simplesmente, MÁGICO ✨😍✨.

Manto original de Nossa Senhora de Guadalupe 🙌

O lugar abre de segunda a domingo, das 6h às 21h e, acreditem: está sempre cheio.

Basílica de la Virgen de Guadalupe, minutos antes de iniciar a missa das 14h

Nós fomos duas vezes. Na primeira vez, com o tour, o guia nos explicou toda a história envolvendo la Morenita e a construção do lugar. No entanto, tivemos o horário um pouco mais justo.

Como estávamos com uma boa folga no nosso roteiro, decidimos voltar por conta própria e, dessa vez, com mais calma. Gente, ir até a Basílica de metrô é MUITO tranquilo.

➡ Obs.12: Se você também escolher ir de metrô, a dica de ouro que te dou é a seguinte: Vá no horário da tarde, pois na parte da manhã, a Basílica fica bem mais cheia 😉.

Quarto Dia 

Museo de Antropología

Já começo com uma dica esperta! No dia anterior à sua ida ao Museo de Antropología, tente ir dormir cedo e descansar bastante. Isso porque, o lugar é grande! (e grande, tipo, mais de 20 salas 😯).

Museo Nacional de Antropología

A entrada custa 70 pesos e, para visitar todas as salas, nós passamos quase quatro horas lá dentro 😲.

O Museu oferece um verdadeiro banho de história e cultura das diferentes regiões do México! E o ponto mais concorrido é a sala onde está o famoso Calendário Azteca (ou a Pedra do Sol). É preciso um pouco de paciência para conseguir tirar uma foto só sua lá! rs

Calendário Azteca

Bosque Chapultepec e Polanco

Bem pertinho ao Museu, também há outras opções interessantes. Se você ainda tiver energia, aí vai a lista de lugares: Castillo de Chapultepec (com uma das mais belas vistas da cidade e onde funciona o Museu Nacional de História), Museu de Arte Moderna (com excelentes peças de Frida Kahlo, Diego Rivera e outros grandes nomes mexicanos) e Museu Tamayo. (Talvez, um dia inteiro ainda seja pouco 🤔).

Quinto dia

Eis que chegamos ao quinto dia. Amigx, se você confia em mim (pode confiar!🙂), guarda essa dica na parte mais bonita do seu coração ❤. Deixe um dia inteirinho livre no seu roteiro. E vou te dar três razões para te convencer de que essa estratégia é válida:

1) A Cidade do México é uma cidade super dinâmica, onde acontecem 200 mil coisas ao mesmo tempo. Então, caso você fique sabendo de algum programa ou passeio interessante quando já estiver por lá, conseguirá encaixá-lo nesse dia;

2) Se não aparecer nada que te interesse o bastante, você poderá retornar a algum lugar, para aproveitá-lo melhor. Por exemplo, o Zócalo, que é enorme e conta com várias atrações;

3) Maaas, caso ainda não tenha te convencido, então “prestenção”: Amigx, qualquer atraso no horário do seu voo de ida, ou qualquer imprevisto que aconteça, você, ainda assim, conseguirá cumprir seu roteiro sem passar aperto no tempo 🙂.

Ufa! Tá aí nosso roteiro lindo de 5 dias na terra da Maria do Bairro. Vale reforçar que, caso você tenha uma disponibilidade maior de tempo e de grana, super vale ficar mais alguns dias. Conforme disse antes, a cidade conta com muitíssimas atrações e, tenho certeza, de que não vai faltar atividade 🙂.

Confira também:

➡ Guia Calle Hispánica: O que você NÃO deve fazer na Cidade do México

Gostou da Calle Hispánica e não quer perder nenhuma postagem? Então, curta a Fan Page no Facebook e siga a Calle no Instagram! 😉

Em Buenos Aires com Ana Elisa Arnold

ViajeJet / Reprodução

5 músicas para viajar pelos países que falam espanhol

Melhor que conhecer músicas em espanhol e praticar o idioma é ainda poder literalmente viajar por esse som.

Colômbia, Porto Rico, México ou Cuba? Você escolhe o destino. Então, senhores passageiros, apertem o cinto porque já vamos decolar!

Obs.: Eu DU-VI-DO você ouvir essas músicas e não sentir uma vontade incontrolável de dançar. Por favor, apenas #NãoSeReprima!

Tierra Del Olvido (Carlos Vives)

Lançada em 1995, por Carlos Vives, Tierra Del Olvido ganhou, 20 anos mais tarde, uma nova versão com dois pontos que merecem destaque: Além de mostrar uma visão ainda mais incrível da Colômbia, Carlos Vives também convidou mais 8 artistas da sua terra-natal (Maluma, Fanny Lu, Fonseca, el Cholo Valderrama, Herencia de Timbiquí, Andrea Echeverry y Coral Group) para ajudá-lo nessa missão de reviver o tema.

La Bicicleta – Shakira e Carlos Vives

Ainda na Colômbia, quem segura Shakira e Carlos Vives com uma bicicleta? (Graças a Deus, ninguém!). Pois é assim (em La Bicicleta) que os dois nos levam a um passeio pela Costa caribenha desse país, passando por cidades como Santa Marta e Barranquilla (Afinal de contas, mira en Barranquilla se baila así…”).

Despacito (Luis Fonsi & Daddy Yankee)

O clipe de Despacito, de Luis Fonsi e Daddy Yankee (e com participação da Miss Universo 2006, Zuleyka Rivera) foi lançado no comecinho deste ano. Gravado em San Juan, capital de Porto Rico, teve como cenário a comunidade La Perla e o clube La Factoría, localizados na zona velha da cidade.

(Alerta clipe #Caliente!)

Arriba De Lo Mal Hecho (Charanga Habanera)

O grupo cubano fez do bairro San Leopoldo, em Havana, o cenário da música Arriba De Lo Mal Hecho.

Madre Tierra (Chayanne)

Saindo de Cuba, subimos mais um pouquinho no mapa, até o México. Foi lá, na cidade de Mérida, onde o cantor porto-riquenho Chayanne gravou as cenas do clipe Madre Tierra.

Conhece outras músicas que também viajam por países que falam espanhol? Compartilhe sua sugestão conosco, ali nos comentários!

Y además…
Te dejamos este video en que el cantante Luis Fonsi habla sobre su nueva canción de trabajo, Despacito.

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén